Você viu?

Fãs da realeza britânica se juntam a moradores de rua de Windsor à espera de casamento real

Meghan Markle e príncipe Harry vão se casar no sábado (19)

Mulher segura faixa comemorativa do casamento real durante ensaio da cerimônia em Windsor
Mulher segura faixa comemorativa do casamento real durante ensaio da cerimônia em Windsor - Clodagh Kilcoyne/Reuters

São Paulo e Windsor

Na rua diante do Castelo de Windsor, lar da rainha Elizabeth 2ª, Lewis Davis, um dos muitos moradores de rua da cidade que dormem a céu aberto em vãos de portas, se encolhe em um ponto de ônibus. 

Do lado oposto, uma nova leva de sacos de dormir apareceu –os lares temporários de fanáticos pela realeza britânica, alguns dos quais viajaram milhares de quilômetros para passar dias e noites nas ruas de Windsor para tentar ver o príncipe Harry e sua noiva, Meghan Markle, no dia de seu casamento.

“Eles têm suas próprias casas, estão acampando. Nós moramos aqui. Essa é a diferença”, disse à Reuters Davis, natural da cidade vizinha de Slough.

A questão dos sem-teto de Windsor rendeu manchetes em janeiro, quando o líder do conselho local disse que eles seriam retirados das ruas antes do casamento de sábado porque seus "detritos" estavam denegrindo a cidade, dominada pelo castelo ao leste de Londres.

Simon Dudley, líder do conselho da Vila Real de Windsor e Maidenhead, escreveu no Twitter sobre o surgimento de uma “epidemia de moradores de rua e vagabundos” na cidade e que quer que a polícia “se dedique a lidar com isso antes do #CasamentoReal".

Seus comentários foram criticados por organizações locais de sem-teto e até pela primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May. "Eles não deveriam esconder o fato de que existem moradores de rua aqui. Deveriam nos ajudar", afirmou Davis.

O problema dos sem-teto se tornou um tema político de destaque nos últimos meses –números oficiais mostraram a presença de 4.134 moradores de rua contados em uma única noite na Inglaterra no outono de 2016, um aumento de 134 por cento desde 2010, quando eram menos de 1.800.

O governo estabeleceu a meta de reduzir essa cifra pela metade até 2022 e anulá-la até 2027, e May prometeu investir 500 milhões de libras esterlinas para atacar o problema. Outros sem-teto de Windsor disseram temer que as autoridades os expulsem das ruas antes da cerimônia de sábado –um contraste acentuado com a acolhida que os fãs da realeza receberam.

A polícia do Vale do Tâmisa, a força local a cargo da segurança do evento, disse que trabalha com o conselho e com serviços locais para “oferecer apoio” aos moradores de rua de Windsor.

O CASAMENTO

A cerimônia será realizada por Justin Welby, arcebispo de Canterbury, e o evento começará ao meio-dia (8h, horário de Brasília). Desta forma, é improvável que o casamento coincida com a final da Copa da Inglaterra, que começará às 17h30.

Nesta quinta (17), a noiva também confirmou rumores de que seu pai, Thomas Markle, não irá ao seu casamento. O plano era que seu progenitor a levasse ao altar. Com a mudança, não se sabe ainda como Meghan chegará ao altar.

Inicialmente, a mãe e o pai de Meghan vão ao Reino Unido e conhecerão a família de Harry pela primeira vez antes do casamento. Eles também teriam "papéis importantes" na cerimônia, segundo Jason Knauf, secretário de comunicação de Harry. 

Como de costume, a cerimônia será paga pela família real e deve ser um casamento "intimista" para os padrões da família britânica. Ao contrário do que foi especulado pela mídia britânica, o ex-presidente dos EUA Barack Obama, o presidente americano Donald Trump e a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, não estão entre os convidados para o casamento. 

Welby também batizou a atriz americana antes de seu casamento. A cerimônia foi realizada na Capela Real de Londres no dia 6 de março, na presença do príncipe Charles. Markle escolheu ser batizada pela Igreja Anglicana por respeito a Elizabeth 2ª, que é a governadora suprema da religião, como são todos os monarcas ingleses desde Henrique 8°, que decidiu romper com o Vaticano.

Os convites de casamento também já foram divulgados. Detalhe: a impressão foi feita com uma mistura de dourado com tinta preta americana para homenagear a origem da noiva. O bolo da festa não será de bananas, e sim de limão. O casal escolheu a confeiteira Claire Ptak para preparar o doce que irá incorporar "sabores da primavera".

A americana também teria escolhido a marca britânico-australiana Ralph & Russo para desenhar o vestido do grande dia. A mídia internacional mencionou a marca como uma das concorrentes após Meghan escolher um vestido feito pela dupla para suas fotos de noivado com Harry

Reuters
Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem