Televisão

Perícia atesta que Waack se queixou de coisa de 'preto'



Uma perícia privada contratada pela Folha concluiu que o apresentador afastado do "Jornal da Globo", William Waack, 65, disse que uma buzina que o irritou durante uma conversa antes de uma participação ao vivo, em 2016, era coisa de "preto". O laudo foi elaborado pelo Instituto Brasileiro de Peritos (IBP).

Para o instituto, a análise acústica permite identificar os sons correspondentes à palavra preto. O vídeo foi divulgado em um grupo de WhatsApp de editores de TV antes de chegar à web.

O jornalista aparece no vídeo antes de uma entrevista com Paulo Sotero, diretor do Brazil Institute, do Wilson Center, num estúdio em frente à Casa Branca, nos EUA . Em comunicado enviado à FolhaSotero disse que não se lembra da cena e condenou racismo

O instituto afirmou que foi realizada uma análise perceptivo-auditiva e acústica da fala e os resultados confrontados com as imagens de Waack. De acordo com o laudo, o jornalista e seu entrevistado teriam dito as seguintes frases:

 Waack - "Tá buzinando por quê? Ô seu merda do cacete, merda."

 Waack - "Deve ser um, (deve ser/você é) filho de um, não vou nem falar de quem, eu sei quem é né. Sabe o que é né?"

 Sotero - "Não"

 Waack - "Preto né" (sem compreensão)

 Sotero - "Ahn"

 Waack - "Preto né"

 (risos)

 Waack - "Sabe o que é isso? É coisa de ..."

 Sotero - "Sim"

 Waack - "Com certeza" (risos)

Segundo o instituto, o áudio apresenta níveis elevados de ruído e pequena amplitude sonora das falas que prejudicam a análise acústica. Além disso, quando Waack se afasta da visão direta da câmara e fica de perfil, a captação do som pelo microfone e a análise visual do movimento orofacial (produzido pelo movimento da face e da boca ao mesmo tempo) também são prejudicados.

Vale registrar que circulou em redes sociais, após a divulgação da gravação, a hipótese de que Waack teria afirmado "coisa de redneck", em referência ao apelido pejorativo da classe média baixa americana conservadora e interiorana —parte do eleitorado de Donald Trump. 

Após o vazamento do vídeo, o apresentador William Waack foi afastado de suas funções e acusado de racismo. Em nota, a Globo afirmou que é "visceralmente contra o racismo em todas as suas formas e manifestações e que nenhuma circunstância pode servir de atenuante.

Desde o dia 8 de novembro, a jornalista Renata Lo Prete, 52, ocupa a bancada do telejornal e deve permanecer no cargo por tempo indeterminado. Lo Prete também é apresentadora, editora e comentarista de política do "Jornal das Dez", da GloboNews.


Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem