Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Rosana Hermann

BBB 22: Ei, Boninho, achou que tinha a fórmula do sucesso? Achou errado!

Diretor do reality achou que não tinha mais nada para aprender

Boninho - Marcos Rosa/Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Sim, Bad Nat surtou. Gritou, berrou, brigou, empurrou, quebrou, theobeckerizou total. Dizem que foi culpa da cachaça Bananinha. Eu acho que foi resultado do desespero do Boninho, que está fazendo qualquer coisa para acabar com o marasmo do programa, notado e comentado por todo mundo que assiste. Todo mundo mesmo.

Perguntei em uma rede social que palavra definia essa edição do BBB. As respostas, tirando os palavrões, foram trágicas:

"Xoxa, insuportável, decepcionante, insossa, anêmica, flopada, repetitiva, desinteressante, chata, sem carisma, sem graça, tediosa, manipulada, morna, apática, cansativa, indigesta, preguiçosa, desagradável, patética, lastimável, capenga, insignificante, modorrenta, fraca, enfadonha, maçante, frustrante, inútil sem noção, desperdício, lamentável."


Concordo com todas elas. Só não fiz uma nuvem de palavras porque fiquei com medo da tempestade de chorume que poderia causar.

Além dessas definições, algumas perguntas que ecoam na cabeça de todos nós são:

- Por que o Boninho escolheu essa gente?
- Em que planeta prova de resistência acaba em sorteio?
- Que raio de preguiça é essa de substituir as fantasias elaboradas de monstro por melancias?

A certeza que grita diante dos nossos olhos é: Boninho errou a mão.

Errou no elenco, errou nas provas, que ora demoram demais, ora acabam em segundos, errou em repetir dinâmicas, errou em suas apostas (Abravanel) para o elenco. Errou feio ao tentar fazer uma pegadinha com os participantes com um dummy que jamais poderia ser a Jade. Um vexame.

Errou apesar de toda a experiência, errou apesar de todo a verba que tem para o programa, de todo o lucro que gera com esse produto de entretenimento.

O que vamos ver de agora até a final (com 10 dias de bônus) serão mais e mais tentativas desesperadas e improvisadas de criar provas com os eliminados, de fazer mais pegadinhas, paredões falsos, Big Fones, incluir gente de fora e toda sorte de remendos.

Tomara que alguma coisa dê certo, que numa próxima enquete, as palavras possam ser mais animadoras.

O que temos hoje na casa com uma dúzia de pessoas divididas em dois grupos de seis:

- seis que estão sozinhos (Athur, DG, Scooby, Lina, Jessi, PA)
- seis que fizeram alianças em casais (Gustavo/Lais, Lucas/Slow, Eli/BadNat)

Até abril a gente vai acompanhar pelo hábito, pela curiosidade, pelo grande evento conjunto que é assistir o BBB e comentar nas redes sociais.

O fato é que, no momento, apesar de uma treta aqui e ali, uma nova disputa entre Arthur e Gustavo para pautar os analistas de realities, o que temos é uma casa sem alma.

Boninho foi mal nessa edição. Acreditou que o sucesso do BBB anterior estava garantido. Achou que não tinha mais nada para aprender porque já sabe tudo. E é nesse momento de prepotência que cometemos nossos maiores erros.

Boninho achou que tinha a fórmula do sucesso. Achou errado.

Rosana Hermann

Rosana Hermann é escritora, roteirista e bloqueada pelo Boninho desde que cobriu o primeiro BBB há 20 anos.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem