Zapping - Cristina Padiglione

Quase 20 anos após o 'Sai de Baixo', Aracy Balabanian ainda é chamada de Cassandra

Atriz disse que chegou a pedir ao diretor Daniel Filho para sair do programa

Patrícia Poeta e Aracy Balabanian
Patrícia Poeta entrevista Aracy Balabanian no programa É de Casa - Reprodução TV Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Em entrevista a Patrícia Poeta na manhã deste sábado (28), no É de Casa, da Globo, Aracy Balabanian disse que ainda é chamada como "Cassandra", nome de sua personagem no "Sai de Baixo".

O humorístico, embora esteja em reprise no canal Viva, acabou há quase 20 anos, em 2002. "Eles [público] falam como se tivessem visto o programa ontem", contou Aracy.

Quando começou a gravar o programa, a atriz chegou a pedir para deixar o elenco. "Eu pedi ao Daniel Filho, que dirigia o programa, pra sair. Eu disse a ele: 'eu não acompanho o humor, não tô sabendo fazer, porque eu rio junto com eles, Miguel [Falabella], Tatá [Luiz Gustavo, eu ria com eles.' E o Daniel disse: 'se você quer rir, ri."

"Miguel dizia que eu fazia parte do público daquela forma. Eu gostava muito de fazer." Aracy lembra também que era um prazer poder visitar São Paulo, onde o programa era gravado, toda semana, já que ela havia se criado na cidade, mas morava no Rio.

Para ela, as personagens que agradam têm esse poder de sobreviver na memória do público, caso que se aplica também a Dona Armênia, criação de Silvio de Abreu para "Rainha da Sucata" (1990), resgatada em "Deus nos Acuda" (1992/93).

Ao rever imagens de Dona Armênia com os filhos, vividos por Gerson Brener, Marcello Novaes e Jandir Ferrari, se emocionou: "Trabalhar com esses meninos foi um prazer enorme, ao mesmo tempo em que eu prestei uma homenagem à minha origem. Eu sou filha de armênios, pai e mãe armênios, então eu brincava com a minha própria origem. Eu sabia falar armênio, eu fazia o sotaque e debochava também da maneira de ser das mãe, não só as armênias, que são possessivas com seus filhos, principalmente os filhos homens, uma característica muito importante pra qualquer mãe."

Aracy começou a carreira no teatro sob resistência do pai e se consagrou inicialmente pelo drama, mas admite que "fazer comédia, como disse o Paulo Gustavo, é um ato de resistência".

"É fazendo rir que a gente resiste a tudo nesse país. Como dizia Millôr [Fernandes], o humor só é dado a quem pensa, a quem raciocina, porque os chatos realmente não têm nenhum humor."

A atriz chorou ao ouvir depoimentos de Marisa Orth, Juca de Oliveira, Marcello Novaes, Adriana Calcanhoto e Denise Saraceni.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem