Tony Goes

Mulheres respondonas: a nova onda do showbiz brasileiro

Na quarta-feira passada (30), o vereador carioca Otoni de Paula Jr. (PSC) postou um textão em seu perfil no Facebook atacando Anitta. A agressividade começava já no título: "Cantora ou garota de programa?".

A resposta veio dois dias depois. Na própria página de Otoni, Anitta rebateu as acusações de que estaria pervertendo a juventude. Ainda chamou o político na chincha, inquirindo-o sobre os reais problemas do país. A repercussão foi tão grande que Otoni de Paula Jr. pediu desculpas públicas por ter insinuado que Anitta seria prostituta.

O vereador foi a mais recente "vítima" de uma onda que está se alastrando pelo showbiz brasileiro: as mulheres respondonas. Cantoras, atrizes e apresentadoras não estão mais dispostas a aguentar quietas ofensas e gracinhas, venham de onde vierem.

Postagem no Facebook do vereador Otoni de Paula Jr que critica a cantora Anitta

Outro exemplo recente do fenômeno foi o embate entre Fernanda Lima e Silvio Santos. Não é de hoje que o dono do SBT solta impropérios contra mulheres em seu programa dominical, sempre com um sorrisão nos lábios.

Mas a apresentadora do "Amor e Sexo" (Globo) não se conteve quando ele disse que com essas pernas finas e essa cara de gripe, com ela não teria nem amor nem sexo. "Silvio, por que não te calas?", indagou Fernanda em entrevista ao "Pânico" (Band).

Desde então, a polêmica só cresceu. Primeiro Silvio retrucou, às gargalhadas, que não se calaria, e sua filha Patricia Abravanel disse que esse tipo de controvérsia lhe dava "preguiça".

Fernanda não se deu por vencida. Reproduziu em suas redes sociais parte do texto que a jormalista Milly Lacombe publicou na Folha, criticando a atitude de Silvio Santos. Imediatamente, recebeu o apoio público de atrizes como Camila Pitanga, Letícia Sabatella e Fabíula Nascimento.

Alguns dias depois, Fernanda escreveu um texto de seu próprio punho. Disse, entre outras coisas, que "o corpo da mulher não é público". E, mais uma vez, foi mais aplaudida do que criticada.

O fato é que nem contratadas do SBT têm se mantido quietas diante das indelicadezas do patrão. Maisa Silva reclamou da maneira como foi tratada durante o "Jogo das 3 Pistas", quando o apresentador tentou forçar um namoro entre ela e Dudu Camargo. E até Patricia Abravanel chamou o pai de "véio tarado" no ar, depois que ele comentou uma foto da apresentadora Lívia Andrade de biquíni.

Ou seja: não são episódios isolados. A mulherada está mais unida do que nunca, como se viu na reação à soltura do "ejaculador da Paulista" na semana passada. As famosas foram em peso à internet criticar a atitude do juiz paulistano (e ainda tiveram a solidariedade de muitos homens, como Juliano Cazarré).

Atrizes e funcionarios protestam com camisetas com a frase "mexeu com uma mexeu com todas" sobre o caso de assedio do ator Jose Mayer a uma figurinista da Globo. (Foto reproducao/Twitter) ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***

Mulheres respondonas não são novidade na cultura brasileira. A atriz Leila Diniz (1945-1972) não tinha papas na língua e chocou a sociedade de sua época - ainda mais careta que a atual. Mas também abriu caminho para coisas que hoje são corriqueiras, como grávidas que exibem o barrigão na praia.

Só que agora elas estão por todo lado. Foram galvanizadas pelo episódio que envolveu o ator José Mayer e a figurinista Susllem Tonani, em abril passado, que gerou o movimento #MexeuComUmaMexeuComTodas.

E não, as respondonas não estão querendo aparecer. Só querem uma coisa: respeito. Enquanto não conseguirem, não vão ficar caladas.

Tony Goes

Tony Goes tem 56 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.blogspot.com

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem