Televisão

Globo terá novo horário de reprises de novelas após Jornal Hoje

'O Cravo e a Rosa' abre nova faixa a partir de 6 de dezembro; Vale a Pena segue na grade

Catarina (Adriana Esteves) e Petruchio (Eduardo Moscovis) em "O Cravo e a Rosa" (2000) - Divulgação/Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A Globo terá um novo horário de reprises de novelas a partir de dezembro, com exibição após o Jornal Hoje. O anúncio foi feito na manhã desta quarta (24) por Fátima Bernardes, no programa Encontro.

"O Cravo e a Rosa", trama de 2000 de grande sucesso, inaugura a faixa a partir de 6 de dezembro. Com isso, a Sessão da Tarde entra no ar após a exibição da novela. O Vale a Pena Ver de Novo também segue na grade, após a transmissão do filme do dia.

O novo horário de teledramaturgia vai reprisar histórias exibidas originalmente nas faixas das 18h e das 19h. Já o Vale a Pena Ver de Novo privilegiará reapresentações de novelas das 21h —atualmente é exibido "O Clone".

De acordo com a Globo, inicialmente, nenhuma atração sai do ar para a entrada desta nova faixa de novelas, e ocorrerá apenas uma adequação de horários. A própria emissora já informou, porém, que uma nova temporada inédita de "Malhação" foi "adiada" —a reprise de "Malhação - Sonhos" (2014), atualmente no ar, deve terminar no fim de fevereiro de 2022.

Nos últimos anos, a Globo tem sofrido para conquistar a audiência do horário vespertino, especialmente na faixa das 15h. Antes de chegar ao fim, em janeiro de 2019, o Video Show já vinha sofrendo sucessivas derrotas em São Paulo para o quadro de fofocas A Hora da Venenosa, exibido na Record.

A Globo tentou emplacar no horário o Se Joga, com Fernanda Gentil no comando. Mas o programa não decolou na audiência e deixou de ser exibido durante a pandemia. A atração chegou a voltar, reformulada, aos sábados. No entanto, foi cancelada pouco tempo depois.

"O Cravo e a Rosa" é um dos maiores sucessos da Globo e uma aposta para reverter essas derrotas de audiência. A novela é o primeiro trabalho de Walcyr Carrasco na emissora. O autor vinha de um grande sucesso na Manchete, Xica da Silva (1996-1997), e repetiu a parceria com o diretor Walter Avancini (1935-2001).

Com a história do amor improvável entre a feminista Catarina (Adriana Esteves) e o machão Petruchio (Eduardo Moscovis), a dupla conseguiu impulsionar a audiência da faixa das seis da emissora carioca. Agradou tanto o público que a trama durou mais que o dobro do previsto. Programada inicialmente para ter 90 capítulos, foi prolongada a pedido da Globo e chegou aos 221 episódios, com duração de pouco mais de oito meses —a reprise, no entanto, deverá ter cortes, já que se trata de uma versão especial.

Para escrever a história, Carrasco contou que se inspirou no clássico "A Megera Domada", de William Shakespeare. Outra referência do autor foi a novela "O Machão", de 1965, escrita por Ivani Ribeiro (1922-1995) para a TV Excelsior e readaptada em 1974 por Sérgio Jockyman (1930-2001) para a TV Tupi.

A novela "O Cravo e a Rosa" já foi exibida duas vezes no Vale a Pena Ver de Novo da Globo, em 2003, e em 2013, sempre com muito sucesso. Segundo o site Teledramaturgia, do crítico de TV Nilson Xavier, a primeira reprise da trama registrou uma das mais altas audiências da faixa nos anos 2000, com média final de 23,48 pontos no ibope da Grande São Paulo.

A produção também foi exibida no canal Viva, em 2019.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem