Televisão

Encrenca lidera audiência da RedeTV! sem apelação: 'Não excluímos ninguém da sala'

Atração aposta em quadros simples e não parou nem na pandemia

Programa Encrenca é apresentado por Tatola Godas, Dennys Motta, Ricardinho Mendonça e Ângelo Campos Divulgação

São Paulo

Com a maior audiência da emissora desde 2015 (entre 6 e 6,5 pontos) e em quarto lugar entre as maiores audiências entre os canais abertos, o programa Encrenca nada de braçadas na RedeTV!. Comandado desde 2014 por Tatola Godas, Dennys Motta, Ângelo Campos e Ricardinho Mendonça, o humorístico de domingo à noite também é um sucesso comercial ao apostar em um humor sem apelação.

Para Tatola, ter todos esses requisitos é um orgulho. “Isso é importante porque dá combustível para a gente. Quando você tem audiência, a TV e os patrocinadores acreditam em você. Fazemos reuniões, estamos presente em tudo, damos palpites, criamos juntos”, afirma.

A turma acredita que muito do segredo pela boa atuação até hoje está no fato de haver novidade a cada domingo. “É legal falar que praticamente toda semana tem uma estreia. Buscamos nos atualizar, estar em contato com pessoas mais jovens e com o que está acontecendo em tudo quanto é canto, no YouTube, no WhatsApp, no TikTok, no Facebook”, reforça Tatola.

São mais de 70 quadros intercalados, mas a dinâmica da atração é simples: são imagens e vídeos que viralizaram nas redes sociais e que são vistos e comentados pelos amigos ao vivo. “Tudo o que você recebe no seu telefone você vê no Encrenca aos domingos. Isso é um fator muito forte da nossa história porque damos imagem para aquilo que o cara ouviu ou viu no smartphone. A gente diz que o protagonista do Encrenca é o telespectador”, diz Godas.

Para Dennys, o mais importante de tudo é acompanhar o que está acontecendo de mais divertido em várias plataformas e pensar à frente. “Nossa evolução é grande. Começamos sem saber nada de televisão, não sabíamos direito para onde olhávamos, o tempo das coisas e a velocidade de resposta.”

Apesar de figurarem entre as maiores audiências, os amigos do Encrenca acham muito difícil chegar próximo da Globo, uma vez que a emissora concorrente “é um negócio muito diferenciado no mercado” como diz Godas. Mas para eles o jeito como as coisas estão é muito bom. A equipe pode ser competitiva e continuar a apostar em um humor sem apelação.

“A televisão chegou em uma fase que passou a excluir os jovens da sala e os colocar no quarto. A família deixou de se reunir para cada um ver uma coisa separadamente. O que o Encrenca proporciona hoje é que todos sentem na sala e assistam ao programa juntos. Nós não excluímos ninguém da sala, mas incluímos”, opina Tatola.

Aliás, quando entrou no ar, em 2012, o Encrenca substituiu o Pânico, conhecido pela comédia mais escrachada e por vezes de mau-gosto, que deixou a RedeTV! e foi para a Band. “Não tem que ser apelativo para fazer humor, não. Isso foi uma fase que ficou lá no passado. Mas nós conseguimos hoje, de um jeito bem leve e familiar, brincar com tudo sem ofender ninguém”, complementa Dennys.

O contrato da trupe do Encrenca vai até 2022 e a tendência é que se cumpra. Eles contam que até já tiveram a oportunidade de deixar a emissora algumas vezes, mas que receberam o respaldo do corpo diretivo de que teriam toda a liberdade para criar e fazer rir a sua maneira. Por serem do rádio —eles fazem parte do programa Quem Não Faz, Toma, da 89 FM—, os meninos estão acostumados ao ritmo de como as coisas acontecem e com a velocidade das informações. E o rádio os ajuda na TV.

“Nossa ideia é fazer um programa muito longevo, sim, na TV. É óbvio que temos medo de enjoar, tudo pode enjoar na vida. O que procuramos fazer é nos manter atualizados com pessoas mais novas do que a gente. Eu, por exemplo, tenho filhos de todas as idades que você possa imaginar (risos)”, conclui Tatola.

ENCRENCA DURANTE A PANDEMIA

Desde março, quando a pandemia do novo coronavírus chegou causando grande impacto no Brasil, muitos programas de TV saíram do ar ou se adaptaram para transmissões de casa. Porém, o Encrenca foi na direção contrária a isso.

Os integrantes do programa se orgulham de jamais terem colocado uma reprise no ar e de terem conseguido fazer todas as edições ao vivo e inéditas no estúdio.

“Fomos o único programa de entretenimento que não parou. Por opção e, depois de muita conversa, começamos a fazer as produções online, gravar em casa, fazer tudo de maneira remota, pela internet. Isso fez com que tivéssemos acesso a essa experiência antes dos demais”, diz Dennys.

Segundo Tatola Godas, todas as medidas foram tomadas. “Diminuímos a quantidade de funcionários da produção aos domingos. Fomos o primeiro programa a suspender plateia no estúdio e a inseri-la novamente, porque nossa plateia hoje é toda composta por fotos, imagens impressas em tamanho real. No sofá que sentávamos nós quatro, agora ficam só dois e os outros dois em cadeiras. Então procuramos nos proteger da melhor forma possível, adotando todos os cuidados recomendados”, afirma.

Para a equipe, isso também ajudou a alavancar os índices de ibope da atração. “Já ultrapassamos diversas vezes a Record e o SBT, então estamos sempre na briga. Mudar de horário seria bobagem. Domingo, às 20h, já está consagrado. Está bom dessa maneira”, finaliza Tatola.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem