Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Tony Goes

BBB 22: Não dá para tirar Jade e depois reclamar que o programa está chato

Sem a influenciadora, a grande rivalidade da temporada termina cedo demais

Imagem da influenciadora Jade Picon
Jade Picon - Instagram/Reprodução
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

É impressionante como são monótonos os discursos dos emparedados enumerando as razões por que deveriam ficar no Big Brother Brasil. Entra ano, sai ano, as justificativas são sempre as mesmas: "meu sonho é estar aqui", "ainda não mostrei o melhor de mim", "sou uma pessoa super bacana".

Posso estar enganado, mas nunca vi alguém usar o argumento que realmente me comoveria: "Você pode não gostar de mim, mas eu sou importante para o jogo. Eu agito a galera. Eu taco fogo no parquinho. Sem mim, isto aqui vira um jardim botânico. Portanto, me deixe ficar, mas não por mim –por você, querido telespectador, que assiste ao BBB para se divertir".

Infelizmente, na noite deste domingo (6) a cantilena se repetiu com a formação de um novo Paredão. A única novidade veio no final da fala de Jade Picon: a influenciadora anunciou que irá doar o prêmio de R$ 1,5 milhão para cinco entidades beneficentes.

Pegou mal entre os colegas. Os demais participantes acham que Jade está apelando, no desespero de não ser eliminada. O público tampouco se sensibilizou: ela continua liderando as enquetes online, com mais de 80% de rejeição.

Onde foi que Jade errou? A paulistana chegou ao BBB 22 como um corpo estranho, e não só por entrar no jogo três dias depois de quase todos os outros (ela, Arthur Aguiar e Linn da Quebrada só foram liberados no dia 20 de janeiro, pois havia contraído Covid-19).

Bonita, rica e com mais de 17 milhões de seguidores nas redes sociais, Jade topou participar do BBB 22 para ficar conhecida fora da internet. Sua carreira não estava em crise, nem ela precisava do dinheiro. Mas, uma vez na casa, revelou-se o oposto de uma planta. Repetiu diversas vezes que estava lá dentro para viver o jogo intensamente, e que não iria ficar na moita.

Ao conquistar sua primeira liderança, Jade despachou Arthur ao Paredão. Era um voto estratégico, alegou ela, que via no ator um forte concorrente e queria testar a popularidade dele junto ao público. Nenhum dos dois ficou magoado com o outro.

A coisa desandou na semana seguinte, quando Jade se tornou líder pela segunda vez consecutiva. Ignorando o fato de Arthur ter voltado do Paredão, um sinal inequívoco de apoio aqui fora, ela insistiu em emparedá-lo novamente. Também reclamou de não ter sido cumprimentada por ele pela nova liderança, e o excluiu de todas as benesses que o líder pode distribuir.

começou uma birra gratuita, que foi crescendo feito bola de neve ao longo das semanas seguintes. Jade, que parecia uma jogadora tão fria e racional, se deixou dominar por uma rivalidade sem o menor sentido. Ela e Arthur nunca tiveram um embate sério, como o que opôs Prior e Manu Gavassi duas temporadas atrás. Pior para ela, mas bom para o público: finalmente, um conflito!

Ao atender o Big Fone neste sábado (5), Jade não titubeou. "Bora, eu e você no Paredão", bradou ela ao desafeto, assim que desligou o aparelho. A determinação e a autoconfiança da moça são admiráveis. A maneira como ela vem lendo o jogo, não.

O fato é que Arthur Aguiar é um dos poucos brothers que conseguiu emplacar uma narrativa. Ele está no BBB 22 para limpar sua imagem de adúltero sequencial, depois de trair sua mulher Maíra Cardi inúmeras vezes. Tem dado certo: lá dentro, ele só fala no jogo, e não se insinuou para nenhuma sister. Junte-se a isto a fama de perseguido, e temos um favorito ao prêmio final.

Jade não percebeu nada disso. Com a empáfia de quem ficou milionária ainda na adolescência, ela confia que seus seguidores irão salvá-la. Não é isso o que as enquetes apontam.

Agora, o público também merece levar um pito. Não faz o menor sentido reclamar que o BBB 22 anda chato, e aí tirar justamente a jogadora mais ousada de todas. Que não tem medo de se posicionar e compra uma briga até o fim, mesmo estando redondamente equivocada.

Já faz 20 anos que o BBB estreou, e ainda não aprendemos que os primeiros a ser eliminados devem ser as plantas. Identificamos supostos vilões e os punimos com a expulsão, sem nos darmos conta de que, com isto, os verdadeiros castigados somos nós.

Jade versus Arthur é a principal trama das poucas que emergiram desta malfadada edição. Terminar com ela agora, quando a temporada nem chegou à metade, é condenar o BBB 22 à irrelevância absoluta.

Fica, Jade. Fica, Arthur. Se não, quem vai embora é o público.

Tony Goes

Tony Goes tem 60 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem