Tony Goes

'Cancelada' por famosos, Anitta perde o controle de sua própria carreira

Ludmilla, Latino e muitos fãs se juntam a Leo Dias nas críticas à cantora

A cantora Anitta

A cantora Anitta Divulgação

Anitta sempre foi elogiada como mulher de negócios. A cantora carioca também é uma boa marqueteira de si mesma. Apoiada por uma equipe eficiente e com o aval de sua gravadora, ela traçou uma estratégia detalhada para se projetar no Brasil e no mundo, em que cada passo é cuidadosamente planejado e executado.

Parecia estar dando certo. Anitta aprendeu a falar inglês e espanhol, chegou a gravar com Madonna e é hoje a artista brasileira mais conhecida no exterior. Não chega a ser uma superstar global como Shakira, mas pretende chegar lá.

De uns tempos para cá, ela inclusive parecia estar mais consciente de suas responsabilidades como artista e figura pública. Cobrada pelos fãs, não só admitiu que é contra o governo Bolsonaro, como desafiou a própria ignorância em política. Chamou a advogada Gabriela Prioli para uma série de lives em que, com a maior humildade, aprendeu como funcionam os Três Poderes da República e a diferença entre esquerda e direita.

Mas nem Anitta é capaz de controlar tudo. No final de maio, Anitta entrou em rota de colisão com o colunista Leo Dias, que publicou notas indiscretas sobre a razão de um desentendimento entre a cantora e sua mãe. As duas o desmentiram, e Leo reagiu com fúria. Revelou que Anitta era sua informante há anos, contando-lhe fofocas sobre diversos colegas, e ainda divulgou áudios em que ela aparece fazendo exatamente isto.

Anitta respondeu dignamente. Assumiu que, sim, era "fonte" de Leo Dias, e que agiu assim por medo dele prejudicar sua carreira. Disse que não aguentava mais ser "chantageada" pelo jornalista, pediu desculpas gerais e prometeu melhorar.

Mas parece que os ataques de Leo Dias abriram a temporada de caça a Anitta, transformando-a em alvo de seus pares. Latino, que não emplaca um hit há anos, correu para lembrar que ela o tratou mal em uma festa alguns anos atrás, e assim conseguiu algum espaço na mídia.

Bem mais graves são as queixas de Ludmilla. Não só porque ela é uma cantora de sucesso comparável ao de Anitta, mas também porque o conflito entre ambas envolve muito dinheiro. Em seu álbum "Kisses", lançado em 2019, Anitta gravou "Onda Diferente", uma canção composta por Ludmilla. A faixa, que se tornou o carro-chefe do disco, ainda teve a participação da própria Ludmilla, do produtor Papatinho e do rapper americano Snoop Dogg.

Alguns meses depois, Ludmilla descobriu que não era mais a única autora da música. Snoop Dogg também estava creditado, porque escreveu o rap que profere na gravação. Isto é normal na indústria fonográfica: Beyoncé, por exemplo, aparece como coautora de "Telephone", que gravou com Lady Gaga, só por ter criado os poucos versos que diz no meio da música.

Mas Anitta, que só entrou com a voz, também apareceu como compositora de "Onda Diferente" e, portanto, com um quinhão dos direitos autorais. A treta entre as duas funkeiras rolou de maneira bastante pública no final do ano passado, e os fãs de uma passaram a agredir os fãs da outra. Ludmilla chegou a ser vaiada por uma parte da plateia quando subiu ao palco durante a entrega do último Prêmio Multishow, para receber o troféu de melhor composição por "Onda Diferente".

Agora as minúcias da polêmica foram escancaradas pela própria Lud, que divulgou áudios e mensagens trocadas entre ela e Anitta. E tem mais: Ludmilla ainda compôs e gravou o funk "Cobra Venenosa", que deve ser lançado no dia 3 de julho. Mas já deu uma palhinha no Instagram, cantarolando o refrão "Eu disse limpa, limpa / Antes que caia dentro / Do cantinho da boca / Escorrendo o seu veneno".

Enquanto isto, Anitta está dizendo nas redes sociais que as pessoas que vêm atacando Ludmilla com pesadas ofensas raciais e sexistas não são membros de seus fã-clubes, mas "criminosos covardes", e que sua equipe está tentando identificá-los.

Menos mal. Anitta parece ter aprendido que não pode viver em atrito permanente com a classe artística. Seu fandom também podia baixar a bola: rivalidade entre cantoras já era uma coisa ridícula na época de Emilinha e Marlene, há mais de 60 anos.

Para concluir, também já estava na hora de Anitta emplacar um novo e grandioso sucesso –de preferência, escrito por ela mesma.

Tony Goes

Tony Goes tem 58 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem