Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui para continuar.

Zapping - Cristina Padiglione

Série sobre o caso Daniella Perez chega à HBO Max este mês

Assassinato da filha de Glória Perez por ex-colega de elenco completará 30 anos em dezembro

A atriz Daniella Perez em setembro de 1992. - Antônio Batalha/Folhapress
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Chegará à HBO Max ainda este mês a série documental que rememora o caso Daniella Perez, morta em 1992, aos 22 anos de idade. O assassinato da atriz, filha da autora Glória Perez, completará 30 anos em 28 de dezembro próximo.

Dirigido por Tatiana Issa e Guto Barra, a produção soma cinco episódios e traz um longo depoimento de Glória sobre a perda da filha, do fatídico dia ao longo processo que começou com a prisão de Guilherme de Pádua e sua então esposa, Paula Thomaz, assassinos confessos da atriz.

Amigos como Fábio Assunção, Cláudia Raia, Cristiana Oliveira, Maurício Mattar, Wolf Maya e Eri Johnson, além do viúvo de Daniella, Raul Gazolla, gravaram depoimentos sobre o assunto.

Estreante na tela da Globo em papel relevante, Pádua, hoje evangélico e bolsonarista, saltou diretamente dos shows de strip-tease na Galeria Alaska, boate de Copacabana, no Rio, para um papel de destaque na novela das nove (então ainda das oito) na Globo, "De Corpo e Alma", de autoria de Glória.

Uma das motivações para o crime seria a percepção de que seu papel estava perdendo espaço na trama escrita pela mãe de sua vítima. O assassinato de Daniella foi planejado por ele e Thomaz após um dia de expediente de gravações na Tycoon, estúdio onde a Globo gravava a novela na época, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Diretora da série, Tatiana Issa começou a carreira como atriz. Próxima de Daniella, ela trabalhava com Gazolla em 92, na novela "Deus nos Acuda", quando o crime ocorreu, e é a idealizadora da série.

A produção focaliza ainda a briga de Glória Perez por alterações na lei de homicídios, o que veio após a autora recolher 1,3 milhão de assinaturas em um manifesto de protesto.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem