Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Zapping - Cristina Padiglione

Tarcísio Filho fala sobre a dificuldade de atuar em inglês em 'Passaporte para Liberdade'

Na série da Globo, ator vive o cônsul Souza Ribeiro, burocrata ligado ao governo nazista

Tarcisio Filho como o Cônsul Souza Ribeiro em 'Passaporte Para a Liberdade'
Tarcisio Filho como o Cônsul Souza Ribeiro em 'Passaporte Para a Liberdade' - Camilla Maia/Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Campinas

Com mais de 40 anos de carreira, Tarcísio Filho, 57, participa de seu primeiro trabalho de atuação em inglês em "Passaporte Para a Liberdade". Na minissérie, ele vive o cônsul Souza Ribeiro, "um burocrata de primeira mão", como define.

Segundo o ator, essa é a experiência mais diferente que já viveu até hoje. "Tive grande dificuldade em remodelar a minha cabeça. A cabeça da gente funciona há muitos anos em português, e não adianta você apenas falar bem o idioma. O verbo é a nossa ferramenta", afirma.

Embora familiarizado com a língua estrangeira, o ator disse não ter o mesmo domínio intuitivo do verbo que tem em sua língua mãe. "E perceber isso, a dificuldade que isso acarretou, é muito interessante. Aprendi mais nesse trabalho do que em muitos outros, justamente porque ele me forçou a repensar o meu 'approach', a minha condição de artista. Foi muito maluco, uma redescoberta muito interessante para mim."

Outra questão vivida pela primeira vez foi a gravação das dublagens de seu personagem para a versão em português: "Foi uma das experiências mais loucas que eu já tive. Dublar a si mesmo em inglês é algo meio fora da casinha, foi divertido", comemora.

Posicionado em Hamburgo quando o nazismo começava a aparecer, Souza Ribeiro é o cônsul principal do Brasil na cidade alemã. É nesse período que Guimarães Rosa é nomeado como cônsul-adjunto. "Não era a capital da Alemanha, mas era um centro comercial muito importante naquela época porque tem um porto importantíssimo. O cônsul Souza Ribeiro tem uma posição absolutamente pró-governista", explica.

O ator conta que um dos maiores desafios durante a construção do personagem foi a ausência de materiais sobre a história pessoal de Souza Ribeiro, para além de suas relações profissionais.

"Então, o homem mesmo eu não conheci. Não existe registro de uma relação humana do Souza Ribeiro a não ser as suas relações burocráticas e seu posicionamento diplomático, seguindo a cartilha das Relações Exteriores ditadas pelo Getúlio Vargas na época", diz.

Sobre dividir o set com Sophie Charlotte e Rodrigo Lombardi, o ator relembra que já compartilhou cerca de três ou quatro trabalhos com Lombardi. "Nunca tinha trabalhado com a Sophie, mas já nos conhecíamos, éramos amigos. Quando você coloca colegas para trabalharem juntos, tudo fica muito mais divertido, já se estabelece uma intimidade cênica. É muito gostoso".

Já sobre a direção de Jayme Monjardim, Tarcísio Filho conta que o diretor já trabalhou com toda a sua família. "Eu comecei com o Jayme e ele começou comigo, juntos na televisão. Fizemos ‘Sinhá Moça’, a época toda da Manchete, ‘Pantanal’, ‘Kananga do Japão’, ‘A Casa das Sete Mulheres’... Sou amigo do Jayme há muitos anos. É um parceiro querido e um diretor muito talentoso."

Bomba explode no consulado e João é interrogado pela Gestapo

Nos próximos capítulos, Aracy (Sophie Charlotte) e João (Rodrigo Lombardi) participam do jantar da embaixada de Portugal para a recepção de Goebbles, o famoso ministro da propaganda de Hitler. Ao chegarem ao evento, os dois são abordados pelo ex-capitão Zumkle (Peter Ketnath), recentemente promovido a coronel, que não perde a oportunidade de provocar João Guimarães Rosa.

Incomodado após ser repreendido por João, o nazista faz uma falsa denúncia sobre o brasileiro, na tentativa de tirá-lo de cena. É aí que o cônsul-adjunto é interrogado por agentes da Gestapo. Enquanto está preso com eles, uma bomba explode no prédio, deixando o escritório em ruínas e ferindo Souza Ribeiro (Tarcísio Filho) na testa.

A minissérie é a primeira produção da Globo em parceria com a Sony Pictures Televison. Com criação de Mario Teixeira, a produção foi escrita em conjunto com Rachel Anthony, e tem direção artística de Jayme Monjardim. Esta semana, a Globo exibe os quatro últimos capítulos da série, que fica disponível no GloboPlay.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem