Televisão

Theodoro Cochrane diz que momento é delicado, mas é crucial abordar diversidade na novela

Em 'Sétimo Guardião', ator vive Adamastor, que sofrerá bullying

Theodoro Cochrane como o Adamastor, de 'O Sétimo Guardião' - João Cotta/Globo
 

Márcia Soman
São Paulo

Theodoro Cochrane, 39, diz que caberá ao seu personagem, Adamastor Crawford, levantar bandeiras importantes na trama das 21h da Globo, “O Sétimo Guardião”. Braço-direito de Ondina (Ana Beatriz Nogueira) na administração da pousada e do bordel da fictícia de Serro Azul, Adamastor não se assume gay, mas sabe que é diferente dos homens heterossexuais da cidade e sofre bullying dos vizinhos.

“As pessoas questionam a sexualidade dele o tempo inteiro, e ele não leva desaforo pra casa. A dúvida é se ele é apaixonado ou não pelo bad boy da cidade, o Júnior [José Loreto]”, disse o ator, em entrevista a jornalistas. O novo personagem de  Cochrane marca o seu retorno a TV Globo após três anos.

Eurico Júnior, aliás, é um dos maiores agressores de Adamastor. Ele o chama, entre outros termos, de gazela e tenta disfarçar os ataques com humor. Na trama, depois de o  filho do prefeito levar um fora de Luz (Marina Ruy Barbosa), ele vai até o cabaré e, após beber, ameaça Adamastor com uma faca. Nos capítulos seguintes, Júnior pede desculpas a Adamastor, que fica pensativo pelo bad boy. 

Apontado como gay enrustido, o personagem Adamastor não deve sair do armário, como informou o colunista Flávio Ricco, do UOL, na última sexta (30). Segundo a coluna, não está nos planos do autor que o recepcionista revele a sua sexualidade. "Por enquanto é apenas de puro ódio. E vai continuar assim até o fim."

Theodoro Cochrane reconhece que o momento é delicado para abordar o tema, diante do clima polarizado que a eleição deixou, mas defende que a diversidade sexual é um assunto de peso e que tem um histórico na faixa das 21h. "Parece que vamos regredir em muitos passos o que levamos anos para conquistar. O personagem é o defensor do amor, da aceitação e da liberdade de expressão. Acho importante levantar essa bandeira."

O ator conta ainda que Adamastor veio de Greenville, filho de ingleses puro sangue.  “Ele se veste ao estilo do cinema noir, com muito brilho, muita renda e tecidos nobres. Está sempre impecável e com uma piteira na boca”, descreve.

Formado em desenho industrial, Cochrane afirma que já trabalhou como figurinista em várias produções, e que adora o visual exuberante. "Gosto muito dessa parte do trabalho e para a televisão o figurino conta muito. É super encorajador me ver em cena, me dá auto estima e me embeleza."

“É meu primeiro personagem fixo de uma novela das 21h, que é o filé mignon da casa. Está sendo incrível para mim", completa.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem