Música

Grupo de K-pop BTS é maior artista global de 2020, segundo ranking da IFPI

Banda se torna primeiro nome asiático no topo da lista anual

Membros do grupo sul-coreano de K-pop BTS - REUTERS/2-dez-2015
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O grupo de K-pop BTS foi reconhecido como maior artista global de 2020 pela IFPI (Federação Internacional da Indústria Fonográfica). A homenagem anual reconhece a popularidade mundial de um artista ou grupo em streaming e vendas, incluindo vinil, downloads e CDs.

O BTS ficou a frente de nomes como Taylor Swift, The Weeknd, Billie Eilish, Ariana Grande e Justin Bieber, e fez história ao se tornar o primeiro grupo asiático a conquistar a primeira colocação. O segundo lugar foi de Taylor Swift e o terceiro ficou com Drake.

Em 2020 o grupo coreano alcançou o primeiro lugar na parada Billboard Hot 100 com "Dynamite". Outros de seus sucessos são "ON" e "Life Goes On". Frances Moore, o CEO da IFPI, disse: “BTS é um fenômeno global. Eles tiveram outro ano excelente, lançando três álbuns e continuamente encontrando maneiras criativas e envolventes de compartilhar sua história com o mundo".

"Eles realmente mostram o poder que a música tem para trazer alegria e felicidade para as pessoas em todo o mundo", completou. "Gostaríamos de parabenizar RM, Jin, SUGA, j-hope, Jimin, V e Jung Kook e estamos animados para ver o que eles têm a oferecer a seguir."

Além dos singles, o grupo pop sul-coreano lançou o álbum “BE” no final do ano passado. O novo disco foi sucesso e apareceu nas paradas globais, entregando aos artistas mais uma liderança na Billboard 200. Ainda em 2020, o grupo lançou o álbum "Map of the Soul: 7". Recentemente, o BTS esteve no programa Acústico MTV.

ERRAMOS: O conteúdo desta página foi alterado para refletir o abaixo

O nome do sucesso do BTS é "Life Goes On", e não "Love Goes On". O texto foi corrigido.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem