Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui para continuar.

Tony Goes

Sem nada para fazer, extrema direita inventa boicote a marca de chocolate

Vai dar tão certo quanto a campanha de Malafaia contra a Disney

O comunicador e influenciador digital Felipe Neto
Felipe Neto fez campanha para Bis, que sofre boicote de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro - Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Há uma guerra sangrenta em curso no Oriente Médio. Terroristas degolaram bebês no berço. No sul da Faixa de Gaza, brasileiros esperam há dias pela abertura da fronteira com o Egito, para conseguirem voltar ao Brasil.

Enquanto isto, uma seca sem precedentes assola a Amazônia. O rio Solimões, que ao se juntar ao rio Negro passa a ser chamado de Amazonas, virou um deserto em alguns trechos. Comunidades ribeirinhas e animais correm risco de vida.

Estas são apenas duas das crises que assolam o Brasil e o mundo neste momento. A guerra na Ucrânia segue firme, golpes de estado acontecem na África, as mudanças climáticas causam desastres no Rio Grande do Sul e em muitos pontos do planeta. E qual foi o problema que a extrema direita brasileira resolveu transformar em cruzada santa? O apoio publicitário do influenciador Felipe Neto ao chocolate Bis.

Nas redes sociais, a hashtag #BisNuncaMais acumula milhares de compartilhamentos. Vídeos de crianças recusando, e até destruindo embalagens do chocolate, viralizaram. Até o folgazão do ex-presidente Bolsonaro entrou na onda, fazendo propaganda gratuita para o Kit Kat, concorrente do Bis.

Tudo isso é de um ridículo indescritível, mas a extrema direita jamais encontrou um vexame pelo qual preferisse não passar. Das dancinhas de robô nas eleições de 2018 ao "patriota" agarrado a um caminhão, os caras se esmeram em inventar situações vergonhosas para si mesmos.

Felipe Neto está longe de ser uma unanimidade nacional, mas não só é um dos influenciadores mais importantes do Brasil, como tem uma penetração entre o público jovem que nenhum direitista radical tem. De crítico feroz de Lula alguns atrás, Felipe apoiou a eleição de seu antigo desafeto em 2022. Prestou atenção aos fatos, e mudou de ideia –algo que não existe no vocabulário limitado dos minions, que jamais o perdoarão por ter ajudado a derrotar Bolsonaro nas urnas.

Bis é uma das marcas mais conhecidas e tradicionais do Brasil. Gerações inteiras cresceram consumindo o confeito. Em lojas de produtos brasileiros no exterior, ele é uma das estrelas, ao lado do requeijão, da paçoca e do pão de queijo.

Achar que um boicote promovido na internet vai abalar a Mondelez, a gigante multinacional que comprou a Lacta (e, por conseguinte, também o Bis), é mais um delírio de grandeza de uma galera muito vocal e agressiva, mas que não teve o poder de impor sua vontade nem quando depredou as sedes dos Três Poderes em Brasília.

O cancelamento do Bis pelos bolsonaristas remete à campanha que Silas Malafaia tentou promover contra a Disney em 2017, por causa de um beijo entre dois rapazes numa série animada produzida pela empresa.

Alguém se lembra disso? Muito provavelmente, não, porque não deu em nada. O apoio da Disney à comunidade LGBTQIA+ incomoda os reacionários e os teocráticos há muito tempo, mas seus protestos jamais abalaram essa política interna da companhia.

O mesmo destino parece aguardar o boicote ao Bis. A marca vem ganhando espaço gratuito na mídia há dias, o que é sempre bom. Pode até ficar mais presente na cabeça do consumidor, como aconteceu com a linha de cosméticos à base de caju da L’Occitane au Brésil, aquela da propaganda com o estapafúrdio caju invertido.

Mas a extrema direita não pensa neste efeito colateral. Só quer fazer barulho e fingir um poder que nunca teve. Soluções para problemas concretos? Jamais tiveram. Preferem negar a existência deles ("não há racismo no Brasil", "gays só fazem mimimi") ou sugerir cloroquina. Vivem numa bolha em que o prefeito de Sorocaba é o grande responsável pelo resgate de quase mil brasileiros de Israel. Então, que esperneiem à vontade. O resto do mundo tem mais o que fazer.

Tony Goes

Tony Goes (1960-2024) nasceu no Rio de Janeiro, mas viveu em São Paulo desde pequeno. Escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. Ele também atualizava diariamente o blog que levava seu nome: tonygoes.com.br.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Mais lidas