Tony Goes
Descrição de chapéu jornalismo

Campanha lançada por William Bonner no JN divide opiniões na internet

Internautas especulavam que o jornalista anunciaria a sua aposentadoria

O jornalista William Bonner

O jornalista William Bonner Reprodução/TV Globo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

"Hoje vai ter um momento especial no JN", disse William Bonner em um vídeo postado nas redes sociais nesta quinta-feira (10). "Eu sei o que é. Mas vocês não sabem."

Foi o bastante para que a blogosfera se assanhasse. Será que o editor-chefe e apresentador do Jornal Nacional (Globo) iria anunciar sua aposentadoria? Bonner tem apenas 57 anos de idade, mas não é de hoje que se fala em seus prováveis sucessores na bancada do mais importante telejornal do país.

A surpresa finalmente chegou, no final da edição do JN desta quinta. Foi o lançamento da campanha institucional "Fatos e Pessoas", que divulgará mensagens pessoais de jornalistas do Grupo Globo para membros de suas famílias. A ideia é mostrar que esses profissionais são tão humanos quanto qualquer um de nós, submetidos às mesmas pressões que atingem a todos.

A primeira reação dos internautas foi de frustração. "Só isso?", perguntaram alguns, que assistiram ao noticiário na esperança de um evento cataclísmico. Pouco depois, a campanha em si foi alvo de críticas e elogios, mostrando que até nisso estamos divididos.

Houve quem se emocionasse para valer. A voz embargada de Renata Vasconcellos, que quase irrompeu em lágrimas ao final do noticiário, mostrou que a iniciativa está mesmo sendo levada muito a sério nas Redações da Globo.

E houve quem se incomodasse. "Jornalista não é notícia. Notícia é notícia", tuitou um repórter deste jornal. Todos têm razão.

Num mundo ideal, jornalistas seriam apenas o fio condutor entre os fatos e os leitores ou espectadores. A rigorosa apuração da notícia não se misturaria a traços pessoais, aparências, idiossincrasias.

Na prática, não é assim que acontece. Todos temos nossos repórteres e colunistas favoritos, na TV ou nos jornais. Alguns deles expõem um pouco de suas intimidades nas redes sociais, e arrastam milhões de seguidores.

Isto é bom? Em certa medida, não, pois jornalismo e entretenimento são coisas distintas. Mas somos humanos. Queremos saber detalhes da vida daquele apresentador simpático. O mundo moderno, com suas infinitas janelas virtuais, bate tudo num grande liquidificador, transformando a todos em celebridades.

Este mesmo mundo põe em xeque, o tempo todo, a credibilidade da imprensa profissional. É saudável que surjam inúmeros sites noticiosos de todas as tendências, oferecendo ângulos diversos e opiniões inusitadas sobre a realidade. Mas é terrível que proliferem as fake news, veiculadas de maneira criminosa por toda a internet.

Conheço gente com nível superior que rejeita os jornais, quaisquer jornais, mas acredita piamente num vídeo apócrifo e mal editado que recebeu pelo WhatsApp. É para estas pessoas, que julgam que toda a mídia está nas mãos de poucos e que os anônimos dos aplicativos é que trazem a verdade, que se destina a campanha da Globo.

"Fatos e Pessoas" quer humanizar o que é visto por alguns como uma máquina impessoal. Quer mostrar que aquele profissional que é xingado nas redes também tem pais, filhos, carne, osso. Não chega a ser novidade, mas desvendar os bastidores do jornalismo ajuda a desmistificar a profissão.

Vai dar certo? Não sei. O Brasil de 2021 não para de surpreender negativamente, e o fundo do buraco não chega nunca. Mas qualquer iniciativa para reverter a maré de horrores é válida. Pelo menos, alguém está reagindo.

Tony Goes

Tony Goes tem 60 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem