Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui para continuar.

Zapping - Cristina Padiglione

'Pantanal' leva para a ficção o estupro de crianças da vida real

Filó contará que foi jogada em currutela após ser estuprada, aos 12 anos, 'como tantas meninas'

Filó, personagem de Dira Paes no remake de 'Pantanal' - João Miguel Jr./Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Em sequência de cenas previstas para o capítulo 132 de "Pantanal", ainda longe de ir ao ar, Filó (Dira Paes) confirmará que sofreu abuso sexual quando tinha apenas 12 anos de idade. A família a colocou para fora de casa, envergonhada pela situação de que ela própria era vítima.

O enredo de Bruno Luperi, baseado na obra do avô, Benedito Ruy Barbosa, reforça assim um espelho da realidade, infelizmente ainda vigente nos dias atuais e muito presente no noticiário desses últimos dias, por meio do triste caso da criança de 10 anos, vítima de estupro, inicialmente impedida de fazer um aborto em Santa Catarina.

O precioso diálogo equivale a uma peça de merchandising social por levar reflexão ao público no meio do entretenimento. E reforça ainda que nada acontece aos homens que praticam esse crime. Os algozes são esquecidos, enquanto as mulheres arcam sozinhas com o ônus da violência da qual são vítimas. "O mundo que vivêmo é esse: os home faiz as safadeza dele, e nóis paguêmo a conta!", diz Filó.

Na cena da ficção à qual a coluna teve acesso, Maria Bruaca (Isabel Teixeira) está na casa de José Leôncio (Marcos Palmeira), protegida da fúria de Tenório (Murilo Benício), ao lado de Irma (Camila Morgado) e Filó na cozinha, quando a anfitriã diz:

"Tem home que merece levá uns par de chifre, pra vê se aprende a sê gente!"
"Também não podemos generalizar", responde Irma.
"Eu tô falâno dos que num presta... E que são a grande maioria", afirma Filó.
"Eu não acho que sejam a grande maioria", reage Irma.
"Ocê diz isso porque nunca teve numa casa de currutela pra vê como é que eles é de verdade!", fala Filó

Bruaca então interrompe as duas, escandalizada: "Ocê já teve numa casa de currutela?"
"Não só tive, como fui mulhé da vida por muito tempo", afirma Filó.
"E o sêo Zé Leôncio sabe?", questiona Maria.
"Onde a senhora acha que ele me conheceu?", reage Filó.

Maria fica perplexa. Filó emenda: "Com doze ano eu já num tinha mais cabaço..."
"Com doze ano eu ‘inda brincava de boneca", replica Bruaca.
"Fosse por mim eu também brincava. Eu fui pega à força...", explica Filó.
"Ela foi vítima de um estupro, dona Maria", completa Irma.
"E cabei_ caîno na vida por causa disso... Como tantas outras minina por aí afora", constata a mãe de Tadeu (José Loreto).
"E a sua família?", pergunta Maria.
"Foro eles que me botâro pra fora de casa... Dizia que num podia aceitá uma vergonha daquelas... A senhora veja só".
"E o mardito?", quer saber Bruaca
"O mardito vorto pra família dele. Eu fui pro mundo... Num tinha nem o corpo todo formado.
"Não bastasse a violência que você sofreu", constata Irma.
"É... Mais o mundo que vivêmo é esse: os home faiz as safadeza dele, e nóis paguêmo a conta!"

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem