Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Zapping - Cristina Padiglione

Globo busca se conectar a mães negras pobres que chefiam famílias

Perfil tem alta incidência em dados mapeados pela emissora para pautar a programação

O diretor da TV Globo e afiliadas, Amauri Soares, na Rio2C
O diretor da TV Globo e afliadas, Amauri Soares, apresenta dados sócio-econômicos que pautam a programação da Globo, durante a Rio2C 2022 - Cristina Padiglione/Folhapress
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Embora esteja muito pouco presente nas produções dramatúrgicas da Globo, o perfil da mãe negra pobre, em geral abandonada pelo marido e responsável por carregar a família nas costas, deverá ganhar mais protagonismo na tela da emissora.

A certeza de que essa mulher está presente em uma a cada três famílias no Brasil de hoje foi um dos dados que o diretor da TV Globo e afiliadas, Amauri Soares, exibiu para uma plateia de roteiristas, produtores e criadores de audiovisual durante a Rio2C, conferência que ocorreu no Rio até sábado (30).

As informações apresentadas por Soares foram levantadas por pesquisas feitas pela Globo recentemente, a fim de conhecer as tendências socioeconômicas da população na retomada de atividades após a pandemia.

"O que eu escolhi fazer aqui é mais ou menos uma reunião de trabalho, o que trouxe para compartilhar com vocês é o processo que calibra a nossa visão de curadoria, a nossa visão de desenvolvimento e encomenda de conteúdo para a grade de programação da TV Globo, que parte de olhar o Brasil, parte de entender o Brasil e o brasileiro, parte de olhar o Brasil com o coração, de entender os comportamentos, as dinâmicas, a casa do brasileiro, a jornada do consumidor."

Nas palavras do diretor, "o Brasil é um matriarcado de mães pretas, pobres, sem marido". "Quanto mais a gente avança nas camadas populares da pirâmide, classe C, D e E, mais escassa é a figura do pai e do marido", completou.

"A grande representação dessa questão é que essa mulher é negra, e ela precisará também ser negra nas nossas histórias, essa protagonista social é a protagonista das nossas histórias."

CASAS MULTIGERACIONAIS

Soares iniciou sua apresentação falando sobre a formação estrutural dos lares no país, atualmente, com um cenário onde o emprego é escasso e a renda teve de ser somada entre os vários membros da família. Conectar-se a essas casas é premissa fundamental para quem faz televisão aberta, avisou.

"O Brasil vai se transformando em uma sociedade de lares multigeracionais, esse é é um dado que afeta quase todos os aspectos da sociedade brasileira e ele é muito importante, e nasce de uma estratégia de sobrevivência do brasileiro: a renda é incerta, o emprego é escasso, o custo de vida aumenta, e o brasileiro sacou uma nova organização familiar, com condomínios familiares multigeracionais onde a despesa é dividida e a renda, que é incerta, é somada. Hoje, nós já estamos passando de 1 a cada 3 casas brasileiras com essa formação. Esta casa abriga o pai, a mãe e o filho, mais um avô, tio... Portanto, são 3 ou mais gerações."

"Isso é muito importante porque a televisão está no centro dessa casa que busca histórias que dialoguem com todos ao mesmo tempo. Nesta casa multigeracional brasileira, a história que interessa é a história que interessa a todos. Nós, da TV Globo, acreditamos que essa é a nossa vocação: contar histórias que interessem a todos e que possan gerar uma conversa multigeracional nessa casa. Nós, da TV aberta, não buscamos a segmentação geracional, nós buscamos falar com todos, e esse é um desafio muito importante e que se apresenta no Brasil de maneira constante, é uma tendência que só vai crescer."

SAIAM DA BOLHA

"O Brasil não é para os fracos", prosseguiu o diretor, para lembrar que o país é "campeão mundial de concentração de renda". "Não é um país pobre, mas é um país onde o dinheiro está na mão de 1%. O que a gente fala na área de programação da TV Globo é pra não cometer o erro de achar que o Brasil é igual ao pedaço do Brasil que a gente vive. Pra não achar que o país todo é igual ao grupo ou à bolha que a gente vive. Se a gente não dialogar com esse tipo de informação, a gente acaba acreditando que todo mundo estudou na PUC, que todo mundo tem iPhone e que todo mundo toma Gin Tônica no fim de semana. Eu quero dizer pra vocês o seguinte: não toma, tá? E não tem iPhone, cujo share de mercado é em torno de 10%."

"Nós, que trabalhamos com contação de história, com representação social, precisamos manter arbitrado o nosso olhar pra sociedade, isso é muito importante."

Amauri Soares também lembrou que o país, tradicionalmente conhecido como maior nação católica do mundo, caminha para ser de maioria evangélica, como a coluna já adiantou.

Disse que o "Brasil está sempre em transformação constante" e "sai da pandemia com tendências de comportamentos que a gente já observava no passado muito presentes: a pandemia foi uma espécie de acelerador de partículas de comportamento sociais no Brasil", avisou.

E fechou sua apresentação em tom de otimismo, lembrando que apesar de todas as mazelas, o Brasil é um dos maiores mercados de consumo de massa do mundo.

"Esse país injusto, de famílias multigeracionais, onde a grande protagonista é uma mulher preta, pobre e sem marido, absolutamente amada, independente, guerreira, que assumiu seguir a sua vida e não deixa ninguém pra trás, esse Brasil, precário do jeito que é, é um dos maiores mercados de consumo de massa do mundo. Todos os grandes grupos internacionais de consumo estão no Brasil e estão no Brasil porque esse é um mercado muito significativo, muito importante. [...] é um mercado cheio de oportunidades."

O diretor sublinhou ainda o otimismo do brasileiro como um dado que aparece em todas as pesquisas realizadas pela emissora. "Nove entre dez entrevistados acha que o país vai melhorar."

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem