Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui para continuar.

Zapping - Cristina Padiglione

Carnaval no Rio ganha documentário na GloboNews

Produção mostra os impactos econômicos do cancelamento da folia em 2021

Imagem mostra dois foliões vestidos de amarelo levantando bandeira da escola de samba
Documentário 'Chegou o Carnaval' mostra expectativa das escolas de samba para a retomada da folia - Divulgação/Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Campinas

Após dois anos sem desfiles, a ansiedade toma conta das escolas de samba do Rio de Janeiro. Em contagem regressiva para a folia, o canal GloboNews exibe o documentário "Chegou o Carnaval", com relatos sobre a construção do espetáculo diante das incertezas sobre sua realização neste ano.

A produção da Globo, que vai ao ar neste domingo (17), às 23h, ouviu personalidades do samba como Neguinho da Beija-Flor, Selminha Sorriso, Milton Cunha, Rosa Magalhães e Moacyr Luz, além do prefeito Eduardo Paes.

Começando com imagens do Carnaval de 2020, realizado dias antes de o primeiro caso de Covid-19 no Brasil ser revelado, o documentário mostra como as escolas e seus componentes enfrentaram a pandemia e, sem seu principal meio de sustento, buscaram superar o momento para retomarem sua paixão.

"O povo do samba entendeu que era momento de se recolher, que tínhamos que esperar pela chegada da vacina, que não era a única esperança só para o mundo do samba, mas para toda a humanidade. Foram momentos muito difíceis, de olhar pela janela e perguntar: o que vai acontecer amanhã?", conta Selminha Sorriso, porta-bandeira da Beija-Flor de Nilópolis sobre o cancelamento da folia no ano seguinte.

PREJUÍZO

Segundo o economista ouvido pelo documentário, estima-se que o cancelamento do Carnaval em 2021 representou uma perda de R$ 5,5 bilhões para o Rio de Janeiro, o equivalente a 1,5% do PIB carioca. O prefeito da cidade, Eduardo Paes, também traz dados sobre a baixa na arrecadação municipal.

"Eu tive amigos diretores de bateria e até ritmistas próximos a mim que não tinham nada. Me ligavam pedindo socorro porque não tinham dinheiro para comprar um botijão de gás. Eu tirava do meu bolso para dar a eles", conta Casagrande, mestre de bateria da Unidos da Tijuca.

Nesse período, as escolas de samba criaram uma série de ações para auxiliar os trabalhadores que têm no Carnaval sua principal fonte de renda. As costureiras das agremiações, por exemplo, passaram a produzir máscaras de proteção para serem distribuídas em troca de cestas básicas.

Com a chegada da vacina contra a Covid, as quadras das agremiações se tornaram postos de vacinação. "A escola de samba mostra a sua importância de estar no meio da comunidade, ela tem essa relação com atores sociais que estão no seu entorno", afirma o jornalista Leonardo Bruno, comentarista dos desfiles das escolas de samba da Série Ouro do Rio de Janeiro.

A expectativa agora é que a volta dos desfiles restabeleça as escolas de samba e resulte em uma recuperação econômica para a cidade. "Para mim vai ser um momento de grande emoção. A expectativa está muito grande. Imagina a emoção que irei sentir quando eu der o grito de guerra", diz o intérprete Neguinho da Beija-Flor.

"Chegou o Carnaval" vai ao ar no domingo (17), às 23h, na GloboNews.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem