Biblioteca da Vivi

Confira três livros que podem ajudar a domar as emoções com menos dor

Literatura é apoio para atravessar piores momentos da pandemia

O escritor Andrew Solomon, autor de "O Demônio do Meio-Dia", em imagem de 2011
O escritor Andrew Solomon, autor de "O Demônio do Meio-Dia", em imagem de 2011 - Annie Leibovitz / On Being

Com o isolamento físico imposto pela pandemia do coronavírus, ficou ainda mais difícil controlar os limites da mente, sujeita a um turbilhão de emoções todos os dias. Para quem cumpre (e deve) as regras rígidas da quarentena, os desafios são encarados todos dentro do confinamento, uma nova realidade que pode piorar a situação psicológica.

Mas a mesma mente que nesse caso aprisiona as pessoas aos problemas pode libertá-las. É por isso que especialistas no assunto são tão essenciais quanto celebrados durante o período de distanciamento social e crise sanitária.

Nova febre nas redes sociais, com quase 1 milhão de seguidores no Instagram, o terapeuta Tadashi Kadomoto tem três décadas de experiência em treinamento comportamental, desenvolvimento e crescimento pessoal.

Autor de, entre outros, de “Meu Livro da Consciência” (R$ 39,90, 400 págs., ed. Gente), o estudioso tem como meta ajudar no autoconhecimento do ser em si e de suas escolhas. São 365 mensagens, uma para cada dia do ano. Outra boa dica é “Um Compromisso por Dia: Pequenas Ações Diárias Podem Mudar a Sua Vida” (R$ 49,90, 410 págs., Gente), que segue um propósito semelhante ao da obra anterior.

Considerado um clássico no gênero, “O Demônio do Meio-Dia” (R$ 52,90, 584 págs., Cia das Letras) é a mais completa análise já feita sobre depressão. Não à toa, foi indicado ao conceituado Prêmio Pulitzer de Não Ficção.

Na obra, o jornalista americano Andrew Solomon traça a partir de uma jornada autobiográfica uma análise profunda de um dos temas mais espinhosos da atualidade. Hoje consultor especial de saúde mental LGBT em Yale e professor de psicologia clínica no Columbia University Medical Center, o escritor desconstrói mitos sobre saúde mental e explora as questões éticas e morais do tema com habilidade. São abordados os diferentes tipos de transtorno e a importância da medicação.

No epílogo inédito da edição brasileira do livro, o leitor encontra o que aconteceu tanto com Solomon quanto com outros personagens descritos depois da conclusão da obra. Já foi publicado em 24 línguas. Fica a dica ainda, do mesmo autor, de “Longe da Árvore”, (R$ 99, 1.56 págs., Cia. das Letras), uma investigação sobre identidade e diferença em famílias com filhos portadores de deficiências físicas, mentais e sociais, e “Um Crime da Solidão - Reflexões sobre Suicídio” (R$ 39,90, 112 págs., Cia das Letras).

Já a terceira dica desta coluna, “A Gata do Dalai Lama” (R$ 36, 224 págs., Lucida Letras) é a obra que apresenta os elementos do budismo explorados pelo espirituoso autor David Michie, que escreveu ainda os populares “Arte de Ronronar”, “Budismo para Pessoas Ocupadas” e “Budismo para Amantes de Animais”.

“A Gata do Dalai Lama” é o ponto de partida para uma série de romances que ajudam a lidar com os desafios mais íntimos da vida. Comece por este!


MAIS VENDIDOS

FICÇÃO
1 “A Garota do Lago”, de Charlie Donlea (Faro)
2 “Eleanor & Park”, de Rainbow Rowell (Novo Século)
3 “Box Terríveis Mestres - 3 Volumes”, de Arthur Conan Doyle (Novo Século)
4 “Box Franz Kafka 1883-1924”, de Franz Kafka (Novo Século)
5 “HP Lovecraft”, de HP Lovecraft (Pandorga)

NÃO FICÇÃO
1 “A Arte da Sabedoria”, de Baltasar Gracián (Faro)
2 “A História da Primeira Guerra Mundial”, de David Stevenson (Novo Século)
3 “Sapiens - Uma Breve História da Humanidade”, de Yuval Noah Harari (Publibook)
4 “Felicidade - Modos de Usar”, de Mario Sergio Cortella (Planeta)
5 “Escravidão - Volume 1”, de Laurentino Gomes (Globo)

AUTOAJUDA
1 “Mais Esperto que o Diabo”, de Napoleon Hill (CDG)
2 “Ansiedade”, de Augusto Cury (Saraiva)
3 “A Sutil Arte de Ligar o Foda-Se”, de Mark Manson (Record)
4 “O Milagre da Manhã”, de Hal Elrod (Vozes)
5 “Minutos de Sabedoria”, de Carlos Torres Pastorino (Vozes)

Fonte: Livrarias Saraiva (de 15 a 21.jun.2020)

Biblioteca da Vivi

Vivian Masutti, 34, é jornalista formada pela Cásper Líbero e bacharel em letras (português e francês) pela USP (Universidade de São Paulo), onde também cursou a Faculdade de Educação e obteve licenciatura plena em língua portuguesa. No Agora, é coordenadora da Primeira Página.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem