Cinema e Séries

Dave Bautista critica demissão de diretor e diz que fará 'Guardiões da Galáxia' por obrigação

James Gunn foi demitido por comentários antigos sobre pedofilia

Dave Bautista no papel de Drax, de "Guardiões da Galáxia" - Divulgação
São Paulo

O ator Dave Bautista, 49, que interpreta Drax na série de filmes "Guardiões da Galáxia", voltou a criticar neste domingo (5) a demissão do diretor James Gunn e disse que só estará no próximo filme da franquia por obrigação legal.

"Eu farei o que sou obrigado a fazer, mas 'Guardiões' sem James Gunn não é o que eu concordei fazer", escreveu Bautista em seu perfil no Twitter em resposta a um fã.

"'Guardiões da Galáxia' sem James Gunn simplesmente não é 'Guardiões da Galáxia'. Também acho repugnante trabalhar para alguém que dá poder a uma campanha de difamação de 'cybernazis' fascistas. É assim que me sinto."

Gunn dirigiu os dois primeiros filmes da franquia e estava escalado para comandar o terceiro longa-metragem. Ele foi demitido em julho após serem divulgadas uma série de mensagens ofensivas que ele postou há alguns anos no Twitter. Os tuítes, a maior parte de 2008 a 2011, se tratavam de piadas de questões tabu como estupro e pedofilia.

As mensagens foram recuperadas por conservadores, furiosos com Gunn por suas críticas abertas ao presidente Donald Trump. Jack Posobiec do Daily Caller e o comentarista de direita Mike Cernovich estão entre os que recuperaram as mensagens.

Na época, Gunn disse que se via "como alguém provocador, fazendo filmes e contando piadas que eram ultrajantes e tabus". O diretor deletou a sua conta e disse ser alguém "muito, muito diferente" da pessoa que escreveu os tuítes, e que agora se concentra mais no amor do que na raiva.

O diretor James Gunn, demitido de "Guardiões da Galáxia" após tuítes ofensivos - Nelson Antoine/Folhapress

O intérprete de Drax é um dos nove atores que assinam uma carta de apoio ao diretor, divulgada pelo elenco da franquia na semana passada. Chris Pratt, Zoe Saldana, Bradley Cooper e Vin Diesel também estão entre os que aprovaram o texto.

"Cada um de nós está ansioso para trabalhar com nosso amigo James de novo no futuro", diz a carta, que relaciona a demissão repentina de Gunn ao que chama de "tribunal da opinião pública".

O filme "Guardiões da Galáxia Vol. 3" será lançado em 2020.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias