Cinema

Dwayne Johnson estrela filme de ação feito no alto de arranha-céu

Longa estreia nesta quinta, mas nem ator tem expectativas altas

homem de óculos escuro
O ator Dwayne Johnson estrela o filme "Arranha-céu", que estreia nesta quinta nos cinemas - Evan Agostini/AP

Fabiana Schiavon
São Paulo

Ao ver o nome do ator americano Dwayne Johnson ​​ no elenco de um filme, já fica claro ao público que este será um longa de muita briga e ação. E, talvez, uma dose de comédia. Nada disso muda em “Arranha-Céu: Coragem sem Limite”, longa que estreia nesta quinta-feira (12) nos cinemas.

A diferença nesse filme é que o personagem de Johnson, desta vez, não tem só a missão de enfrentar bandidos em meio a explosões, mas também de levar o público a sentir vertigens em cenas feitas pelo lado de fora de um prédio fictício, com mais de 200 andares, construído em Hong Kong.

Johnson vive Will Sawyer, um veterano de guerra que toca a vida como consultor de segurança. O longa começa com o ator engravatado e vestindo sua perna mecânica –necessária por causa de um ataque sofrido no trabalho.

Parece impossível que Sawyer esteja pronto para uma missão, mas ele está. O ex-agente e sua família, então, são chamados para testar a confiabilidade do edifício mais alto do mundo e passam a morar lá. Sawyer é casado com a médica Sarah (Neve Campbell) e tem dois filhos gêmeos.

Só que um antigo inimigo do empresário que projetou o prédio tem o plano de incendiar a construção. E, por um azar, a família de Sawyer é pega de surpresa pelo fogo. Assistindo ao incêndio de longe, Sawyer vê que sua família está acima do andar em chamas e, por isso, ele deverá usar de muita imaginação para chegar lá em cima.

Com um guindaste, cordas, muita fita adesiva –que vira piada no filme– e músculos, o ex-agente escala o prédio para enfrentar os bandidos e, ainda, salvar a sua família –com direito a vertigens e suspiros.

O ator Dwayne Johnson provou que não se leva tão a sério durante a divulgação de seu novo filme. Um blogueiro americano convidou um professor de matemática para analisar um dos saltos que o astro dá durante a trama. O especialista chegou à óbvia conclusão de que o personagem deveria estar morto, porque seria impossível pular aquela distância.

Pelo Twitter, Johnson respondeu. “Um matemático não é o cara certo para esse trabalho. Precisamos de um construtor levemente bêbado”, brincou o ator. Em outro post, ele lamentou a data de estreia, ao lado de “Os Incríveis” e “Homem Formiga e a Vespa”. “Estamos rodeados de gigantes. Sou competitivo, então, tragam os gigantes! Só não me deem uma surra muito feia!”


DIRETO DA PLATEIA

O longa “Arranha-Céu” é divertido, tem uma boa história –que prende até o fim– e cenas de ação nos ares, como o esperado. Assistir ao filme, com certeza, renderá bons momentos de entretenimento, principalmente ao público que é fã de filmes de ação e não se importa muito com a atuação frágil do fortão Dwayne Johnson, que interpreta quase sempre o herói da vez.

A expectativa do espectador, no entanto, não deve estar à altura de cenas ou tramas como a série de filmes “Duro de Matar”, com Bruce Willis, ou “Missão Impossível”, com Tom Cruise. Sem muita genialidade no roteiro, principalmente nos diálogos, o filme só cumpre com o que promete mesmo.

Agora
Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem