Cinema e Séries

Cacá Diegues afirma que Bolsonaro não deverá ser autoritário: 'Não conseguirá fazer metade do que fala'

Diretor de cinema acredita que próximo governo 'não será tão ruim'

Cacá Diegues, diretor do filme "O Grande Circo Místico"
Cacá Diegues, diretor do filme "O Grande Circo Místico" - Folhapress
Leandro Vieira
São Paulo

O diretor de cinema Cacá Diegues disse que estava "de ressaca", desde a eleição de Jair Bolsonário (PSL) à Presidência do Brasil, confirmada no domingo (28). O pesselista venceu o petista Fernando Haddad com 55,13%.

Acostumado a emitir opiniões sobre política, o diretor não acredita que o novo presidente do país vá cometer atos autoritários. "O Brasil de hoje não é o mesmo do Brasil dos anos 1960, quando tivemos a ditadura militar. As instituições, atualmente, são mais sólidas", fala Diegues, durante coletiva de imprensa do seu novo filme, "O Grande Circo Místico".

Diegues também ressalta a oposição a Bolsonaro. "Há milhões de pessoas que não votaram nele e que estarão de olho em seus atos. Com tudo isso, não creio que ele conseguirá fazer metade das coisas que ele costuma falar."

O diretor lembra que todo o processo de eleição foi legítimo, afirmando não ter acontecido nada irregular. O diretor tem uma mensagem otimista. "Não acredito que o próximo governo será tão ruim. Pode ser apenas um desejo meu, mas só o futuro vai dizer. De qualquer forma, a eleição dele foi uma pena."

Ele ainda espera uma outra eleição, desta vez na área artística. "O Grande Circo Místico", que estreia dia 15, pode ser o representante brasileiro na disputa do próximo Oscar de filme estrangeiro.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias