Celebridades

Antonio Fagundes afirma que, enquanto tiver fôlego, estará em cena

Ator viverá doente terminal em 'Bom Sucesso', nova novela da Globo

Antonio Fagundes será Alberto em 'Bom Sucesso'
Antonio Fagundes será Alberto em 'Bom Sucesso' - Globo / Reginaldo Teixeira
São Paulo

Prestes a estrear na novela “Bom Sucesso” (Globo) como Alberto, que tem uma doença terminal e não vê mais valor em estar vivo, o ator Antonio Fagundes revela que, diferentemente de seu personagem, sabe lidar bem com a velhice.

Em conversa com o F5, o ator diz como se sente aos 70 anos, 50 deles vividos na TV. Ele descarta a aposentadoria e conta que tem muitos papéis que ainda sonha em fazer, sejam eles na TV, no teatro ou no cinema.

Fagundes também toca em temas mais delicados, como as situações política e cultural do país, além de falar de família e da sintonia com a atriz Grazi Massafera, sua parceira de cena que interpretará Paloma na trama de Rosane Svartman e Paulo Halm, que estreia na faixa das sete na próxima segunda-feira (29).

O ALBERTO, DE ‘BOM SUCESSO’ O Alberto vai acabar se abrindo para o resto do mundo. Não cheguei a acompanhar casos reais de pessoas terminais, porque a morte faz parte da vida. Você não precisa se preparar para algo que tem de estar preparado a vida toda.

SINTONIA COM GRAZI A Grazi está no momento perfeito como atriz, tem um conhecimento ótimo da profissão, aproveito tudo o que ela me passa como ser humano. É uma gracinha e nossa relação é gostosa em cena. É muito bom trocar em cena, ela tem olhar generoso sobre o personagem dela e sobre os demais. É rico tudo o que ela está fazendo. [Em ‘Bom Sucesso, a personagem de Grazi, Paloma, tem exames trocados com Alberto, de Fagundes, que só tem seis meses de vida]

CHEGADA DOS 70 ANOS Enquanto eu tiver fôlego vou estar em cena, principalmente no teatro. TV é mais fácil, mas teatro exige mais. Estou dando no couro ainda. Estamos com [a peça] ‘Baixa Terapia’ no Teatro Tuca, em São Paulo [até dia 28 de julho]. São dois anos e meio por lá com 250 mil espectadores. Apareçam.

VELHICE Sempre me relacionei bem com a velhice. Já queria ser velho quando novo. Comecei interpretando personagem velho no teatro. Você só não vai ficar velho se morrer jovem. A velhice e a jovialidade você tem de encarar. É bom você se preparar para ficar velho, eu me preparei e venho me preparando. A coisa muda, você não sobe a escada mais de três em três degraus, eu vou subindo de dois em dois.

PAPÉIS AINDA A FAZER Eu brinco que são 180 os que ainda quero fazer. Só Shakespeare fez 37 peças e eu só atuei em uma. Não sei se terei vida para tanta coisa, mas estou tentando.

EXEMPLO PARA O FILHO É culpa dele, não tenho culpa nisso [por Bruno Fagundes ter virado ator]. Brinco que experiência não se transfere, é farol voltado para dentro. Procuro dar a eles, e eu tenho mais três além do Bruno, todas as possibilidades deles escolherem [o que fazer na vida]. Bruno foi para o teatro. Naturalmente deve ter tido alguma influência minha, e está se dando bem. Espero que seja tão feliz como nós.

FECHAMENTO DE LIVRARIAS PELO PAÍS Se as pessoas deixarem que pinacotecas fechem, museus, cinemas, teatros, circos e todo patrimônio histórico feche, num país de dimensões continentais onde a população não se importa, [se isso acontecer] o governo tem razão de fechar. [O ator é um aficionado por literatura e abordará isso em ‘Bom Sucesso’]

MOMENTO CULTURAL DO PAÍS Nós [atores] estamos fazendo [nossa parte], quem tem que responder sobre isso é o público, as pessoas que se interessam pela cultura [que tem de responder] se ela é ou não importante. É a cultura que define a cidadania. Através dela que se cria consciência de nação, reforça história, troca conhecimento, educação. Mas o público sabe? O dia que souber, governo nenhum acabará com a cultura.

MODERNIDADES Estamos passando por um processo estranho de uma coisa que não sabíamos o que era para uma coisa que ainda não sabemos no que vai dar. Vocês passam três horas por dia limpando o WhatsApp para não ficar carregado. Se usassem essas três horas para ler um livro vocês leriam dois livros por semana e as livrarias não estariam fechadas. Garanto que se concentrar nisso sua vida vai mudar.

POLARIZAÇÃO POLÍTICA A gente precisa parar com essa besteira e olhar para o outro, sem ele você não existe. Você não muda, não cresce. Sem opinião contrária você vira um imbecil. Você não têm nem a certeza do que você pensa, se é bom. Precisa ter críticas, conflito, opiniões divergentes para crescer. A medida que você cresce com o outro, você cresce com você mesmo. E essa é uma das propostas da trama.

REPRISE DE ‘POR AMOR’ Às vezes assisto à novela, tem outro ritmo. O público sente saudade das novelas [antigas], hoje são muito rápidas. Faziam cenas com mais emoção, não entravam em neura das novas mídias. Hoje se ficar dois segundos [numa cena] você já perde o interesse. Outro dia vi uma cena minha com a Regina Duarte de 15 minutos conversando na cama. Duvido que alguém tenha desligado a TV. Dava tempo de entrar na problemática do personagem.

AGILIDADE DE HOJE Sabemos que se você está acostumado a girar com o dedinho para ter informação a cada três segundos, ver imagem por mais de cinco segundos já vai ser cansativo. Isso é um sintoma ruim porque perde o interesse e só quer saber de coisa superficial. E assim você está perdendo coisas na vida que não são superficiais.

SUCESSO É continuar trabalhando e fazendo coisas sabendo que todos vão assistir e vão gerar interesse. Espero que todos se interessem por ‘Bom Sucesso’.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem