Celebridades

Gloria Groove diz que dublar 'Aladdin' foi como estar em casa: 'Estou realizando um sonho'

Cantora realiza trabalhos como dubladora desde 2005

 
Cantora vai descaracterizada durante a premiere de "Aladdin" no shopping Eldorado em São Paulo - Leo franco / Agnews

João Victor Marques
São Paulo

Um dos clássicos filmes da Disney ganhou uma nova versão para as telonas. Dirigido por Guy Ritchie, Aladdin volta aos cinemas nesta quinta-feira (23).

O filme que estreou no Brasil e no mundo tem em seu time de dubladores nomes de peso, como Daniel Garcia, conhecido como Gloria Groove, 24.

A drag queen paulista emprestará sua voz para o próprio Aladdin no live-action da Disney, dirigido por Guy Ritchie, que estreará em todo o mundo nesta quinta-feira (23).

Se engana se você pensa que isso é algo novo para ela. Gloria Groove contou à Folha que sua carreira como dublador começou muito antes que a de drag queen. “Eu tenho uma carreira em dublagem já desde muito antes de eu ser drag queen. Comecei a trabalhar com dublagem em 2005. Faz muito tempo já”.

 
 

Daniel Garcia, que é muito conhecido por ter mais de 14 anos de carreira como dublador, conta que não ganhou o papel de “graça da Disney”. Ele foi incluído na lista de testes como os outros dubladores e fez dois testes para dar vida ao personagem.

“Eu não ganhei o personagem da Disney. Não foi nada disso, tá? O Daniel Garcia foi incluído na lista de pessoas para fazerem os testes e eu fiz dois: o de voz falada e o de voz cantada”.

Com o início do processo no começo deste ano, Gloria Groove conta que, quando ela passou e te contaram que seria Aladdin, ela deu um jeito de encaixar na agenda para viver seu sonho de dublar um protagonista da Disney.

"O processo começou bem antes. Me ligaram no começo desse ano e, como o pessoal dos estúdios de dublagem sabem que minha agenda é lotada e uma loucura, as meninas me falaram que era Aladdin e eu dei um jeito de encaixar na minha agenda. E passei! É surreal viver um protagonista da Disney”.

Como ela cresceu dentro dos estúdios de dublagem, a cantora diz que se sentiu em casa ao realizar esse trabalho.

“Era um clima de estar em casa. Eu me senti assim. O diretor e o técnico de som eu já conhecia desde criança. Era como estar fazendo qualquer trabalho, com a emoção extra de estar fazendo um filme que é tão marcante na minha vida e na de tantas pessoas”.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem