Celebridades

Lei é aplicada mesmo com ela fora do Brasil, diz delegada sobre socialite que ofendeu filha de Gagliasso

Bruno Gagliasso conversa com Luana Génot na delegacia
Bruno Gagliasso conversa com Luana Génot na delegacia - Anderson Borde/Agnews


Daniela Terra, delegada titular da DRCI (Delegacia de Repressão a Crimes de Informática) do Rio de Janeiro, afirmou que já foi aberto o inquérito contra a mulher que se apresenta como socialite Day McCarthy.

Neste domingo (26), McCarthy ofendeu Titi, 4, filha dos atores Bruno Gagliasso, 35, e Giovanna Ewbank, 31. Num vídeo publicado no Instagram, a brasileira que supostamente mora nos EUA, chama a criança de "macaca com cabelo de bico de palha".

"O inquérito já foi aberto. Essa pessoa vai ser chamada para prestar depoimento. Apesar de parecer que ela está fora do Brasil, a lei penal é aplicada a ela mesmo assim. Ela responde por todos os crimes cometidos contra a filha de Gagliasso", disse em entrevista a jornalistas presentes na delegacia.

Nesta segunda (27), Gagliasso foi à Cidade da Polícia, zona norte do Rio de Janeiro, para prestar queixa das ofensas racistas. Segundo o artista, que estava acompanhado de Luana Génot, fundadora e diretora executiva do Instituto Identidades do Brasil, sua mulher não o acompanhou porque "não havia necessidade". "Estou aqui pela minha filha, por mim, pela minha mulher, pelos meus amigos e por todo mundo que foi ferido e desrespeitado", disse. 

De acordo com Terra, a legislação aplicada é a brasileira, o que independe de onde McCarthy esteja, e que o processo penal vai seguir com ajuda do Ministério da Justiça.

"Já temos o local onde ela está e estamos providenciando a intimação legal. Ela vai responder pelos crimes de injúria por preconceito, difamação e injúria. O tempo de reclusão é de um a três anos para injúria por preconceito, além de outros fatos que possam agravar a pena", disse a delegada. 

JUSTIÇA

Após registrar a denúncia, Gagliasso afirmou que vai "processar e fazer o que tiver que fazer de todas as maneiras". 

"Eu penso em fazer justiça e o começo é estar aqui. Não é a primeira vez que venho aqui e vou continuar vindo. A minha filha vai dar um Google quando estiver mais velha e vai ver. Todo mundo está vendo. A gente não pode se calar e achar que essa criminosa vai sair impune".

Gagliasso também disse que não tem dúvidas de que a mulher será punida. "A delegada foi bem clara comigo. Disse que ela cometeu um crime e que não importa o lugar do mundo que ela esteja, vai responder por isso."

O ator agradeceu o carinho e apoio que ele e a família têm recebido. 

"Minha filha não tem noção do que está acontecendo. Só tem quatro anos e meio. Mas mais tarde ela vai ter. E vai ter também força e inteligência o suficiente para fazer o que estou fazendo aqui. E eu vou vir acompanhar. Obviamente essa não vai ser a última vez que isso vai acontecer. Mas ela vai ser forte e instruída."

Alexandre Celano, advogado cível do Gagliasso, reiterou que McCarthy precisa ser responsabilizada. "Nós vamos provocar o Judiciário, claro, não só para notificar as mídias sociais, seja Facebook ou Instagram, mas também vamos buscar medidas liminares para que essas publicações extremamente ofensivas sejam retiradas do ar. Seja na justiça de lá, seja na justiça do Brasil, o importante é que ela merece e precisa ser responsabilizada. Não só pelas ofensas contra a Titi. Isso é o tipo de ofensa que atinge a sociedade toda."


Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem