Renato Kramer

De Paulo Silvino a Marcius Melhem, Luciano Huck recebe humoristas por 'dia do comediante'

O apresentador Luciano Huck fez uma engenhosa comemoração pelo "dia do comediante" (26 de fevereiro) no quadro "Vou de Táxi" do seu programa "Caldeirão do Huck" (Globo) deste sábado (27).

Aos poucos foi pegando passageiros ilustres do universo da comédia brasileira. O primeiro foi Marco Luque, que chegou vestindo o seu divertido personagem, o motoboy Jackson Five. Huck relembrou algumas passagens de Luque pela Globo: "Álbum de Casamento", no "Fantástico" (2005), "Carga Pesada" (2007) e "Telecurso" (2009).

O segundo passageiro foi Marcos Veras, que confessou dever tudo à comédia, embora a sua formação seja como ator: "Comédia é o meu carro-chefe", declarou. "Eu sempre fui o palhaço da escola. O que imitava os colegas, os professores, o que contava piada", relembra Veras que tornou-se conhecido no "Zorra Total".

Marcius Melhem também pegou o táxi de Huck e explicou um pouco o estilo do delicioso "Tá No Ar". "Ele é cena colada com cena. O que a gente tenta fazer ali para pegar as duas pontas do público foi trazer alguns conceitos do humor de quadros que o público mais antigo está acostumado a ver, com a velocidade da internet, do público jovem."

Marianna Armellini foi a primeira mulher comediante a ser homenageada e concordou quando Huck comentou que o mundo da comédia ainda é um tanto machista, mas faz parte de uma geração em que a presença da mulher é mais rica no humor. Foram citadas Tatá Werneck, Dani Calabresa e Monica Iozzi.

Luciano Huck recebe time de humoristas no
Luciano Huck recebe time de humoristas no "Caldeirão do Huck" - Reprodução
Luciano Huck recebe time de humoristas no

Luciano Huck recebe time de humoristas no "Caldeirão do Huck"

Reprodução

Na sequência sobe Ingrid Guimarães, que vivia a top model Leandra Borges no "Fantástico" (Globo, 2010). Dona Inês, claque do "Zorra Total" e do "Toma Lá, Dá Cá", também pega carona no táxi e dá de cara com o craque do riso, Paulo Silvino.

Seu primeiro programa foi o "Klouros e Morenos – o programa feito para você não assistir" (TV Rio). Em 1967 veio o "TV O, Canal Zero", ao lado de Agildo Ribeiro. Já em 1970, Silvino participava do "Faça Amor Não Faça Guerra" e, em 1976, o "Planeta dos Homens". Em 1983, Silvino fazia o "Viva o Gordo", ao lado de Jô Soares.

"Pra mim é uma honra estar com 76 anos de idade e estar trabalhando com essas 'crianças' do humor, a nova geração". "E envelhecer tem graça?", quis saber Huck. "Envelhecer não tem graça, não", responde Silvino. "Acho uma sacanagem!"

Alguns aproveitaram para opinar sobre o limite do humor. "A turma as vezes carrega demais sem precisar", declara Silvino, "o cara tem que ter bom senso. Não pode esculhambar com tudo, agredir as pessoas...esse humor que agride eu não gosto, não". Para Melhem, o limite é muito de cada comediante. 

Para Veras o humor não tem limites, o que tem limite é o que é humor. "Você ofender, xingar, agredir e bater só no oprimido não é humor. Eu acho mais graça quando você bate no opressor, no mais poderoso do que bater em que já está caído."

"Para o humor nada é sagrado", concluiu Marcius Melhem. E aproveitou para anunciar a participação de Luciano Huck no último episódio do "Tá No Ar".

<> Galeria
Tá no Ar
Tá no Ar
Tá no Ar

 

Renato Kramer

Natural de Porto Alegre, Renato Kramer formou-se em Estudos Sociais pela PUC/RS. Começou a fazer teatro ainda no sul. Em São Paulo, formou-se como ator na Escola de Arte Dramática (USP). Escreveu, dirigiu e atuou em diversos espetáculos teatrais. Já assinou a coluna "Antena", na "Contigo!", e fez críticas teatrais para o "Jornal da Tarde" e para a rádio Eldorado AM. Na Folha, colaborou com a "Ilustrada" antes de se tornar colunista do site "F5"

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias