Televisão

'Pega Pega' nos lembra que 'somos mocinhos e vilões', diz Mateus Solano

Novela volta nesta 2ª em um país 'mais preconceituoso', diz autora

Mateus Solano na novela Pega Pega

Mateus Solano como Eric, em "Pega Pega" Paulo Belote/Divulgação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

"Se essa novela fosse das nove, com certeza, seria uma novela trágica, porque as questões abordadas são muito sérias." A frase é da autora Claudia Souto sobre "Pega Pega", primeira trama assinada por ela e que foi exibida na faixa das 19h da Globo em 2017.

Discussões sobre ética, racismo e preconceito contra drag queens são alguns dos temas abordados na história, que será reapresentada em edição especial no mesmo horário, a partir desta segunda (19) —substitui a inédita "Salve-se Quem Puder".

Para Souto, todos esses assuntos espinhosos são abordados de forma leve, e a reprise é uma boa oportunidade para que sejam debatidos novamente. "É muito louco ver como o país mudou em quatro anos, e está mais preconceituoso, mais antiético. Como essas questões hoje são muito mais fortes e tragicamente tristes do que na época. E a gente nem sabia que podia piorar, essa que é a grande tristeza", diz ela em conversa com jornalistas ocorrida na terça (12) por videoconferência e que reuniu grande parte do elenco.

"Ao mesmo tempo, é bom que a gente provoque o público de novo. Vamos falar de ética de novo, vamos falar de diversidade sexual, vamos falar de racismo. Com leveza, para as pessoas se divertirem, mas vamos botar essa pulguinha atrás da orelha das pessoas mais uma vez", completa.

O enredo central já é uma provocação ao público: é errado torcer pelos vilões? Foi o que aconteceu na primeira versão, quando os telespectadores simpatizaram com os quatro funcionários do fictício Carioca Palace —Malagueta (Marcelo Serrado), Júlio (Thiago Martins), Sandra Helena (Nanda Costa) e Agnaldo (João Baldasserini)— que logo nos capítulos iniciais roubam os US$ 40 milhões (R$ 207 milhões na cotação atual) da venda do luxuoso hotel.

Completamente amadores como ladrões, eles se envolvem em uma série de trapalhadas após a ação criminosa e não conseguem usar o dinheiro. Para Mateus Solano, que dá vida ao protagonista Eric (empresário bem sucedido que compra o hotel), a novela acerta ao não retratar vilões e mocinhos de forma maniqueísta, como se os primeiros fossem completamente maus, e os segundos somente agissem da forma certa.

"A novela nos lembra que somos todos mocinhos e vilões das nossas vidas, todos fazemos escolhas, que podem estar em acordo conosco, e não com a lei. E vice-versa. E isso tudo é muito importante para a gente se relativizar e apontar uns dedos para si próprio na hora de lutar por um mundo melhor", resume.

Na visão dele, outra mensagem relevante de "Pega Pega" é tratar com leveza assuntos pesados. "E que, hoje em dia, são lidados de forma violenta por todos nós. Não é por um lado nem pelo outro, mas por todos nós", alerta.

O diretor Luiz Henrique Rios destaca que todos os personagens têm falhas trágicas, o que faz com que sejam humanizados e gerem identificação. "O certo e o errado não determina o amor que a gente sente por alguém. A gente pode amar pessoas que fazem escolhas erradas. Esse lugar de exigir só o certo é impossível", pondera.

Nanda Costa e Thiago Martins dizem acreditar que, passados quatro anos da primeira exibição, o carisma dos ladrões seguirá fazendo com que eles ganhem o apreço do público. "Comparando a tudo e a todos que vêm roubando há tanto tempo [no Brasil], a gente é muito pequeno. As pessoas vão curtir", afirma o ator.

Para Nanda, os personagens entraram numa "roubada" ao embarcarem no plano apresentado por Malagueta. "'Quem não quer US$ 1 milhão? Eles nem pensaram na consequência, no caráter, na ética, em nada...Foram impulsivos e depois não podiam usar o dinheiro."

E a atriz ressalta —em um spoiler para quem não viu a exibição original— que eles são punidos. "Fizeram uma coisa extremamente errada, e vão pagar no decorrer da história. Acho que isso que é legal."

João Baldasserini lembra que, em determino momento da trama, grande parte do elenco está preso. "Achava isso o máximo. Torcemos para que a CPI [da Covid] coloque cada um no seu lugar", diz o ator.

Em 2018, em sua primeira transmissão, "Pega Pega" terminou com média de audiência de 29 pontos em São Paulo e no Rio, um sucesso para a faixa das sete. Na ocasião, foi a melhor performance de uma novela desde 2012 —"Cheias de Charme" daquele ano ultrapassou os 30 pontos.

Edição especial de 'Pega Pega'

  • Quando Seg. à sáb., às 19h40
  • Onde Globo
Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem