Televisão

Repórter da GloboNews se emociona ao relembrar morte da mãe por Covid-19

Pedro Neville informava sobre o falecimento de Nicette Bruno quando falou sobre o assunto

Pedro Neville, da GloboNews, se emociona ao relembrar morte da mãe por Covid-19
Pedro Neville, da GloboNews, se emociona ao relembrar morte da mãe por Covid-19 - Reprodução
São Paulo

O repórter Pedro Neville se emocionou ao dar a notícia da morte da atriz Nicette Bruno por Covid-19 na GloboNews. O jornalista estava em frente a Casa de Saúde São José, onde a atriz estava internada desde 26 de novembro, e durante a transmissão relembrou a morte da própria mãe, também por conta da doença.

"Há quase dois meses minha mãe se foi por causa da Covid-19. Você tem o mesmo nome dela, Lílian. Ela não desgrudava do meu pai, o acompanhou em uma viagem para o sul. Quando falamos da perda de uma pessoa querida tem que falar de conscientização", disse Neville à âncora Lílian Ribeiro.

"Ela foi em outubro e ficou até 3 de novembro. Quando a gente tem um parente nessa situação é complicado, porque não pode nem visitá-lo", disse o jornalista sobre o período em que a mãe ficou internada em um hospital particular no Rio de Janeiro. Neville disse ainda que levou um susto quando o pai e o irmão também foram diagnosticados com a Covid-19.

"O meu pai só perdeu o paladar. A gente não sabe o que faz evoluir com ou sem gravidade. Minha mãe já tinha mais de 60 anos e fumou por 30. O sistema imunológico também não era muito bom", lamentou o repórter, contando que a mãe chegou a melhorar e se comunicar com a família através do vidro da sala de onde estava internada, pois permanecia em isolamento.

"A gente pôde ler os lábios dela dizendo 'mamãe ama vocês'. Deu uma esperança. Ela vivia para o meu pai, depois para os filhos e aí chegaram os netos. E os cachorros, que também são da família porque sentem falta", salientou o repórter, finalizando com um alerta, que muitos ainda ignoram.

"Estou falando isso porque a gente precisa de conscientização. Quem é jovem e está indo na praia, na festinha, fica sem máscara, acha que não vai acontecer nada… Não é bem assim. Pode não acontecer nada com você, mas você pode levar o vírus para alguém querido da sua família. Está acabando. O Brasil está atrasado em relação às vacinas, mas para o ano que vem pode acabar", concluiu, ainda emocionado.

Ribeiro, com a voz embargada, consolou o colega. "Não tive a oportunidade de conhecer minha xará, mas para criar um rapaz como você era uma mulher extraordinária. Fica com Deus", concluiu a jornalista.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem