Televisão

PopStar: Nany People promete mostrar sua versão mais intimista e romântica no reality musical

Programa estreia no próximo dia 27 com apresentação de Taís Araujo

Nany People Paulo Belote/Globo

Fernanda Pereira Neves
Rio de Janeiro

As roupas são espalhafatosas, a maquiagem é forte e o cabelo, super moderno. Apesar da imagem já bem conhecida e marcante, a atriz Nany People, 54, entra para o reality musical PopStar (Globo) para mostrar uma nova versão de si mesma: mais intimista e romântica. 

“Vocês vão ter uma surpresa muito grande. Por causa da minha condição, o pessoal acha que vou sair de um Kinder Ovo, mas esse é outro momento. No 5.4 você conta história, sente mais, vivencia mais. Vou mostrar uma Nany que muita gente não conhece, mais intimista, mais poética”, afirma ela, se referindo aos seus 54 anos. 

A atriz será uma das competidoras do reality, que volta para sua terceira temporada no próximo dia 27, novamente com Taís Araujo, 40, na apresentação. Na disputa estarão também Letícia Sabatella, Claudia Ohana, Marcelo Serrado, entre outros. O prêmio ainda não foi informado pela emissora --no ano passado foi de R$ 250 mil. 

Nany conta que já tem alguma familiaridade com a música, mas resiste a se chamar de cantora. “Sou uma atriz que canta”, afirma. Cantou em teatros e em festas de casamento ainda na infância e depois, já adulta, voltou a arriscar o gogó em peças como “O Incrível Dr. Green” (2012) e “Forever Young” (2017). 

O convite para o PopStar veio quando ela ainda estava em “O Sétimo Guardião” (Globo, 2018-2019), sua primeira novela. Na trama, ela interpretou o químico Marcos Paulo e chegou a fazer uma apresentação musical ao cantar “Tigreza”, de Caetano Veloso.  

No PopStar, ela afirma que vai ser bem diferente. Segundo Nany, perde-se a proteção do personagem, figurino, maquiagem, voz, o que para ela já é um desafio. Além disso, deve-se passar emoção, lidar com banda, luzes e câmeras e, principalmente, preparar um show de dois minutos: “Sendo 30 minutos só de acordo”, brinca ela. 

“O legal é a liberdade que dão pra encontrar nosso DNA musical (...) O produtor me mostrou uma Nany que nem eu conhecia. Eu fazia tudo alto, teatral, e ele falava ‘Não, Nany, começa devagar, me mostra o que você quer fazer’. Me sinto literalmente aprendendo um ofício que não sabia. O teatro é grande, alto, aqui é menor, introspectivo.”

Sobre o repertório que apresentará no programa, Nany conta que optou por explorar esse lado intimista com bastante MPB. Música em inglês escolheu apenas uma, que poderá cantar mais para frente. Sem citar o nome da canção, ela diz que optou por ela, mesmo sem falar o idioma, por ter “muito a ver com seu discurso de vida”. 

Fazer militância, no entanto, ela afirma que não pretende fazer. “Não tem esse discurso não, está chato isso. Quando entrei na novela, me perguntaram se eu iria militar, não eu estava lá pra atuar. Militar, eu milito na vida. Agora estou aqui para cantar, não desafinar, quero me divertir, mostrar uma faceta nova”, afirma ela. 

A jornalista viajou a convite da emissora

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem