Televisão

Claudete Troiano cresce na TV Aparecida e ganha chance de ter segundo programa: 'Sou fênix'

Apresentadora vai realizar sonho de comandar atração semanal noturna

A apresentadora Claudete Troiano, 65, terá novidades na TV Aparecida
A apresentadora Claudete Troiano, 65, terá novidades na TV Aparecida - Rodolfo Magalhaes/Divulgação
São Paulo

A apresentadora Claudete Troiano, 65, não se arrepende de ter trocado grandes emissoras do país, como a Record, SBT e a Band, pela TV Aparecida, em 2014. No canal religioso, ela vai completar cinco anos à frente do programa Santa Receita em março. O retorno tem sido tão positivo que Claudete acaba de saber que terá uma nova atração para comandar a partir do meio do ano.

“Na verdade, não tenho muitos detalhes, não tem nem o nome. Já recebi um pouco da orientação do que a TV Aparecida espera do projeto. Ela quer renovar, que seja um programa de entretenimento, mas que tire um pouco daquela marca da emissora, que é muito forte no sertanejo”, revela.

De acordo com ela, o fato de ser semanal e noturno chamou a sua atenção. “Quando deixei a Record e fui para a Band [em 2005], e não tinha motivo nenhum, pois ganhava muito bem, eu fui porque acenaram com a possibilidade de eu ter um programa noturno. Há muitos anos tenho essa jornada pesada de programa diário, não é fácil e os anos vão passando. Então, eu me vejo no futuro fazendo isso: um programa semanal, que fale com a família”, revela.

Não bastasse a novidade, ainda há uma outra: desde quarta (6), o Santa Receita ganhou mais 25 minutos: será das 15h15 às 17h55. “É mais trabalho”, ri a apresentadora, que completa: “Não me assusta. Para mim é motivo de orgulho. Sinal de que está dando certo. A gente tem que se preocupar quando está diminuindo [o tempo], mas quando aumenta só temos que festejar.”

Claudete já pensa inclusive em rechear com mais novidades a atração ampliada. “Olha, um programa como eu faço está sempre se reciclando. Prova é que estou aí há mais de 30 anos fazendo esse tipo de atração. Existem alguns quadros novos, que começam em breve. Mas tudo sempre visando um programa com liberdade de expressão, com conteúdo voltado para as famílias brasileiras”, afirma. Dentre as novidades destaque para o quadro ‘Faça e Venda’, que será ampliado. Ele mostra oportunidades de ganhar dinheiro nas horas vagas ou no desemprego.

Além das novidades de Claudete, a TV Aparecida também se renova. A faixa diária da programação entre 10h e 12h, antes ocupada pelo Manhã Leve, ganha três novidades: Com a Mãe Aparecida, apresentado por Missionários Redentoristas, às 10h, com interação ao vivo com o público; Saúde e Fé, atração com bate-papo com especialistas, comandada pelo Frei Rinaldo, às 10h30, e Kombina, com Bete Ribeiro, entre 11h15 e 12h. Este levará histórias de motivação e fé ao telespectador.

APRENDIZADOS, MEMÓRIAS E SONHOS

E engana-se quem pensa que Claudete Troiano parou de aprender no trato com o dia a dia na TV. Com quase 60 anos de televisão, a apresentadora conta que ainda se sente em mutação constante. “Olha, eu me sinto uma fênix mesmo, aquela que renasce a cada dia, a cada momento. Acho que a vida é muito saborosa por isso, porque te dá oportunidade de ser uma pessoa diferente”, afirma.

“Procuro me reinventar a cada dia. Importante é ter brilho no olhar e gostar do que faz. É gostar de viver. A cada dia eu aprendo. Aprendo com crianças, com reportagens na TV. Aprendo com a tristeza, com alegria. Estou sempre aprendendo e absorvendo as coisas da vida”, completa Claudete.

Nem mesmo a perda da mãe, pela doença do Alzheimer, no fim do ano passado, fez a artista esmorecer. Ela tira dessa experiência a força necessária para seguir em frente. “Essa perda ainda mexe, claro, foi triste. 2018 foi um dos piores anos da minha vida: perdi minha amiga, minha companheira, meu referencial, aquela que me dava força, colo. Mas aprendi muita coisa com a doença da minha mãe. Era muito dolorido vê-la naquela situação, pois sempre foi ativa. Com 90 anos morava sozinha, fazia banco e ainda ia torcer pelo São Paulo numa arquibancada”, lembra, com carinho. Dona Aurora morreu com 94 anos e sofreu da doença durante quatro anos.

Firme e forte para mais um ano de desafios e conquistas, Claudete revela que ainda tem muito o que almejar, principalmente na vida pessoal. “Tenho um casamento de muitos anos, que eu chamo de bodas de paciência (risos). Uma coisa que todos sabem que eu quero é um netinho. Não sei se vou ter, mas acho que está na hora. Vejo algumas amigas com netos, fico babando e penso: ‘ah, se eu tivesse um neto ou uma neta, seria tudo na minha vida agora’”, finaliza.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem