Nerdices

Produtora de games Ubisoft suspende diversos funcionários após denúncias de abuso

Empresa havia recebido críticas por não ter agido após acusações de comportamento sexual inadequado

Evento de promoção do jogo "Just Dance", da Ubisoft, em Los Angeles, em 2016
Evento de promoção do jogo "Just Dance", da Ubisoft, em Los Angeles, em 2016 - Frederic J. Brown/AFP
São Paulo

A produtora de games francesa Ubisoft, de jogos como "Assassin's Creed" e "Just Dance", suspendeu um grupo de funcionários que foram acusados de assédio. Inicialmente, a empresa recebeu críticas por não ter agido quando as denúncias foram feitas.

O caso começou na terça-feira (23), quando a funcionária de uma agência e várias outras mulheres denunciaram o gerente de marketing da Ubisoft, Andrien Gbinigie, por assédio sexual.

Nos dias seguintes, outras denúncias de comportamento sexual inapropriado dentro da produtora começaram a surgir. Em um primeiro momento, a direção da Ubisoft manteve silêncio sobre as notícias.

Mas, na quinta (25), a empresa finalmente publicou um comunicado, no qual se desculpou pelo atraso em se posicionar. "Sobre as recentes alegações contra alguns membros da Ubisoft: nós gostaríamos de começar pedindo desculpas a todos afetados por isso, nós realmente sentimos muito", diz a nota.

"Nós nos dedicamos a criar um ambiente inclusivo e seguro para nossos times, jogadores e comunidades. Está claro que nós falhamos no passado. Precisamos melhorar."

De acordo com a produtora, investigações estão sendo conduzidas com o auxílio de consultores externos. Durante esse período, mais detalhes não podem ser fornecidos, mas a Ubisoft garante que o está aproveitando para rever suas políticas internas.

"Nós vamos compartilhar medidas adicionais sendo postas em prática com nossos times nos próximos dias. Nosso objetivo é criar um ambiente do qual nossos funcionários, parceiros e comunidades podem se orgulhar —um que reflita nossos valores e que seja seguro para todos."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem