Música

Gustavo Mioto relata desmotivação na pandemia e diz que álbum de forró veio para aliviar

Famoso por hits sertanejos, cantor diz que gosta de 'passear' por outros estilos

Gustavo Mioto divide o palco com Dorgival Dantas

Gustavo Mioto divide o palco com Dorgival Dantas DeZacarga

São Paulo

Foram os hits sertanejos que deixaram Gustavo Mioto, 23, famoso. "Solteiro Não Trai", "Com ou Sem Mim" e "Fake News" são alguns dos sucessos que já embalaram a sofrência de muita gente. Mas, para o músico, "passear" por outros estilos é importante e ajuda a "alçar voos diferentes" na carreira.

Focado neste propósito, o paulista de Votuporanga, lançou, na semana passada, seu primeiro álbum inteiramente dedicado ao forró, gênero do qual afirma ter muitas influências. Intitulado "Mistura", o projeto audiovisual gravado com equipe reduzida e sem plateia, devido à pandemia da Covid-19, foi uma experiência "esquisita", segundo Mioto.

"Esse projeto apareceu para dar uma aliviada. Passei muito tempo sem tesão de fazer música, escrever, ou querer produzir alguma coisa. Fazia as lives, mas não me sentia completo. Demorou muito tempo para que a chama acendesse dentro de mim", afirmou o cantor em conversa com a imprensa.

O projeto, lançado em todas as plataformas digitais, marca o primeiro trabalho do artista com a gravadora Universal Music. Em nove faixas, que incluem participações do grupo Calcinha Preta e dos cantores Dorgival Dantas e Raí Saia Rodada, Mioto explora o ritmo nordestino, mas diz que a sofrência não é um capítulo encerrado da sua carreira.

"A essência do meu trabalho sempre vai ser sertaneja. Eu gosto de sofrer, gosto de fazer músicas românticas", brinca. "Não tenho esse lance da vaidade de não querer gravar outros gêneros. Gosto muito dessa mistura, de fazer essa bagunça. A música não é restritiva, podemos ser felizes. Eu me diverti demais fazendo esse projeto, que nem sempre é o que a galera espera ouvir", completa.

Gustavo Mioto acumula fãs na região Nordeste. Não por menos, seu DVD anterior –lançado no início deste ano, com participações de Xand Avião e Wesley Safadão– foi gravado em Fortaleza (PE). Apostar no forró neste momento foi a forma que o músico encontrou de homenagear os fãs. "Comecei a tocar lá há três anos e eles abraçaram o meu trabalho. É um agradecimento por tudo que eles fizeram por mim".

E como em todo tributo, não faltou esforço e dedicação. Apesar de dizer que o sertanejo e o forró são "primos", o cantor afirma que precisou aprender bastante sobre o ritmo. "Tivemos que estudar como grava, como toca, é tudo diferente e isso leva um tempo, mas só tínhamos três dias", revela.

O músico ainda pretende lançar outros volumes do "Mistura", entre eles um de rock, funk e pagode. "Tudo depende de como vai ser, mas tenho muita vontade. Possivelmente pagode seria o próximo, sou fã de Sorriso Maroto, Pixote e Dilsinho", aponta ele como possíveis nomes a serem convidados para o projeto.

ROMÂNTICO INCURÁVEL

Gustavo Mioto se considera um eterno romântico. Ele lembra que desde muito jovem, quando começou a compor, gostava de falar sobre amor. "Sempre me dei bem melhor nessa parte. Já letras de desapego, eu pedi ajuda para outros compositores", brinca o cantor, dessa vez em entrevista exclusiva com ao F5.

Solteiro, Mioto garante estar totalmente focado no trabalho. Após idas e vindas do seu namoro com a influenciadora digital Thaynara OG, 28, o cantor sertanejo afirma que não procura um novo amor, e ainda mantém amizade com a ex.

"Eu e a Thay temos uma relação muito boa, infelizmente como casal não deu certo. A gente fez o DVD juntos depois do término, ela é muito massa e supergente boa, tanto ela quanto a família dela me tratam bem ainda hoje", diz o músico.

Sem problemas com a exposição e intromissão dos outros em sua vida pessoal, Mioto diz que é normal a curiosidade quando o assunto é sua vida amorosa. "A gente que topa viver essa vida pública sabe que acontece. Eu sou de boa, mas tenho um limite", explica. "A gente tem que falar bem quando começa e quando termina", completa.

LADO NERD

Com a agenda cancelada por causa da crise do novo coronavírus, que fez com que Mioto demitisse 18 membros de sua equipe para conter os gastos, o cantor se encontrou bastante desanimado. Segundo ele, o videogame foi uma válvula de escape para a ansiedade.

"Sempre fui nerd, inclusive tentei fazer engenharia de computação... passei em nota e 'bombei' em falta [risos]", diz com bom humor. "Jogar tem sido uma terapia para mim, tenho vários amigos do mundo do eSports", afirma o sertanejo.

Apesar de não ter se sentido depressivo, o músico não nega que sua saúde mental ficou abalada. Ele define como "agonia" o sentimento que o fez ficar sem produzir por um certo tempo. Adepto de acompanhamento psicológico, ele garante que não foi nada muito grave.

"Sempre me cuidei com os jogos, estudando instrumentos e outras línguas. São coisas que vou usando de terapia também, fora a terapia mesmo que eu tive que fazer", afirma.

Confira alguns lançamentos do 'Mistura":

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem