Música

Ações da gravadora da banda de K-Pop BTS dobram de valor em sua estreia na Bolsa

Sete membros da boyband também ganharam ações da empresa

BTS durante performance no MTV VMAs 2020 - Handout/Reuters
Seul

As ações da gravadora da banda coreana BTS, rei do K-Pop, dobraram em valor ao estrear na Bolsa de Valores nesta quinta-feira (15), transformando instantaneamente em bilionário seu presidente e aumentando consideravelmente a fortuna dos artistas.

A Oferta Pública Inicial (IPO, na sigla em inglês) avaliava a gravadora em mais de R$ 4 bilhões de dólares (R$ 22,4 bi).

Em agosto, o septeto se tornou a primeira banda 100% sul-coreana a liderar as paradas de sucesso dos Estados Unidos com seu novo hit, "Dynamite".

A gravadora da banda, a Big Hit Entertainment, anunciou uma oferta de entrada na Bolsa de 135.000 wons (US$ 115, cerca de R$ 640) por ação, havia informado o grupo na segunda-feira (12). Trata-se de um recorde nesta faixa de preços indicativos. No entanto, nos minutos seguintes à abertura da Bolsa, a ação já era negociada em 330.000 wons.

Com isso, a Big Hit obteve uma capitalização de 11 trilhões de wons (US$ 9,6 bilhões ou R$ 53,7 bilhões), o que a coloca entre as 30 empresas sul-coreanas mais valiosas, à frente da empresa de cosméticos Amore Pacific.

As ações do fundador e presidente da Big Hit, Bang Si-hyuk —que manteve participação de mais de 36% na empresa—, valiam US$ 1,4 bilhão (R$ 7,8 bilhões) ao início da negociação na Bolsa, segundo o índice Bloomberg Billionaires. Com a valorização, sua fortuna disparou.

Com a IPO, os sete membros da banda BTS também se tornaram acionistas milionários. O presidente da Big Hit, Bang Si-hyuk, distribuiu 68.385 ações para cada um dos artistas em setembro, o que representa US$ 8 milhões (R$ 44,8 milhões) ao preço de oferta.

O hit "Dynamite" sozinho pode gerar mais de US$ 1,4 bilhão (R$ 7,8 bilh]ao) para a economia sul-coreana e milhares de novos empregos, de acordo com um estudo do governo divulgado em setembro.

AFP
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem