Estilo

Jennifer López desfila para Versace em Milão com coleção inspirada na Amazônia

Presença da cantora nas passarelas foi segredo guardado a sete chaves

Jennifer Lopez desfila para Versace na Semana de Moda em Milão, com vestido verde decotado até a altura da barriga, de ombros abertos
Jennifer Lopez desfila para Versace na Semana de Moda em Milão - Alessandro Garofalo/Reuters
Milão

A cantora e atriz americana Jennifer López, 50, surpreendeu nessa sexta-feira (20) na passarela da Semana de Moda de Milão ao desfilar para a Versace, que teve como inspiração a selva amazônica para nova coleção.

Com uma nova versão do icônico vestido de seda verde decotado que fez sucesso na cerimônia do Grammy do ano 2000, JLo demonstrou seu poder para uma audiência que chegou à beira da histeria.

Sua presença nas passarelas foi um segredo guardado a sete chaves, que só começou a ser revelado quando a música da cantora tocou durante o desfile.

Antes, as famosas modelos Gigi e Bella Hadid, além de Kaia Gerber, desfilaram o mais puro estilo Versace dos anos 2000, com vestidos curtos e muito justos, lantejoulas e atitude sexy e decidida.

O evento de Milão mostrou também seu lado engajado com uma viagem ao Brasil em defesa da Amazônia, fonte de inspiração do intelectual e excêntrico estilista Francesco Risso, da Marni, que brincou com folhas de bananeira, flores e a exuberância tropical.

"Assim nasceu o projeto, em uma viagem que infelizmente terminou com os trágicos incêndios da floresta amazônica", disse o estilista no final de seu desfile. "Estava comovido e queria falar sobre a urgência de proteger a natureza".

Como uma mensagem a favor do resgate da floresta, a famosa marca reproduziu no desfile a selva, com árvores feitas de papelão e garrafas plásticas recicladas.

Os looks são feitos de algodão orgânico com tafetá de tecido reciclado. A energia da cor, um elemento forte nas coleções da Marni, é transmitida através de estampas quadriculadas, manchas e flores estilizadas, como pinturas abstratas realizadas por Risso e seus artistas. "Na realidade pintamos enquanto estávamos nus por semanas", confessou o estilista.

Teatral, com estampas orientais da artista Lucia Pescador como pano de fundo, a marca Marras une duas ilhas muito diferentes, Japão e Sardenha, na Itália. Como por magia, entre quimonos rosados e sedas, o espectador chega à Terra do Sol Nascente.

O desfile virou um espetáculo celebrado entre o público, com modelos desfilando entre os corredores e cadeiras, rompendo com os códigos do mundo da moda.

"Queria oferecer um espetáculo real, uma pausa no meio da semana de moda", disse à AFP o criador e diretor. "Criar uma coleção é um trabalho que leva tempo e precisa também de tempo para ver, apreciar, observar, compreender".

O universo exuberante e eclético do estilista foi acompanhado por uma trilha sonora com músicas japonesas.  

AFP
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem