Tony Goes

A curiosa implicância dos bolsonaristas com os vibradores das famosas

Mário Frias e Sérgio Camargo mostram desconforto com a sexualidade feminina

Mário Frias, secretário especial da Cultura do governo Jair Bolsonaro
Mário Frias, secretário especial da Cultura do governo Jair Bolsonaro - SecomVc no Twitter

No dia 15 de agosto, o colunista Rodrigo Constantino –um ardente defensor do governo Bolsonaro– compartilhou em seu perfil no Twitter uma matéria publicada pelo F5: “Fernanda Paes Leme revela o nome de seu vibrador e diz que ele quebrou de tanto usar”.

Como a mentalidade brasileira ainda não saiu da quinta série, choveram comentários jocosos. Um deles veio de Mario Frias: “Q vida solitária não?” (sic), indagou o Secretário especial de Cultura.

No dia 21 de setembro, foi a vez de Sérgio Camargo manifestar a respeito de uma notícia parecida. “Agora respondam com sinceridade. Tem alguma condição de ser a primeira-dama do Brasil?”, tuitou o presidente da Fundação Palmares. Ele se referia a um bate-papo entre Angélica e Sabrina Sato ocorrido um mês antes, em que a mulher de Luciano Huck defendia o uso de vibradores.

Essas duas declarações de integrantes do governo foram lembradas pela colunista Mônica Bergamo, da Folha, nesta quarta (23). Seriam só mais dois exemplos bizarros do modus operandi do grupo que ocupa atualmente a Presidência da República, cujos perfis nas redes sociais misturam comunicados oficiais com opiniões pessoais e, não raro, ataques gratuitos a supostos detratores.

A própria Mônica Bergamo achou curioso que membros do segundo escalão investissem contra duas mulheres famosas que desvelaram um pouco de suas intimidades. Eu vou além: acho que essas tiradas denotam um profundo incômodo com a sexualidade feminina, que permeia todo o bolsonarismo.

Terapeutas sexuais recomendam que as mulheres explorem seu próprio corpo com a ajuda de acessórios. Não são raros os depoimentos de senhoras casadas há décadas confessando que só atingiram seus primeiros orgasmos quando se masturbaram com um vibrador.

Um número expressivo de homens não faz a menor ideia de como dar prazer erótico a uma mulher. Há até quem diga que a mulher não sente nada –e, se sentir, é porque sofre de uma grave falha moral.

A sexualidade feminina foi reprimida durante milênios. Algumas culturas ainda extirpam o clitóris das meninas, para que elas encarem o sexo apenas para fins reprodutivos. No Ocidente, uma das principais bandeiras do movimento feminista é a conquista do prazer. Só quando puderem gozar livremente é que as mulheres estarão na plena posse de seus direitos. E isto apavora os homens, que as preferem submissas e ignorantes. ​


Angélica e Fernanda Paes Leme fazem parte de uma vanguarda cultural que tem amplo acesso à informação. As duas também foram corajosas em admitir publicamente o que milhões de mulheres já fazem em segredo há tempos. O mundo está mudando a passos largos, e não há mais volta possível. Tudo o que os conservadores conseguem é ralentar um pouco essa marcha.

De resto, é sintomático que Sérgio Camargo ache que Angélica não tenha capacidade para ser primeira-dama. Ele se esquece, convenientemente, de que Michelle Bolsonaro já postou no Instagram as fotos das peças íntimas que ganhou de uma marca de lingerie, como se fosse uma reles blogueirinha.

Camargo também ignora que madame Bolsonaro recebeu misteriosos R$ 89 mil em sua conta bancária, depositados por Fabrício Queiroz e sua esposa. Será que isto a qualifica para ser primeira-dama?

Tony Goes

Tony Goes tem 60 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem