Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui para continuar.

Zapping - Cristina Padiglione

Fã de 'Pantanal' se oferece para remake e ganha personagem

Tibério, personagem que foi de Sérgio Reis em 1990, será vivido pelo agrônomo Guito

Agrônomo formado pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), o estreante Guito nunca foi ator
Agrônomo formado pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), o estreante Guito nunca foi ator - João Miguel Jr./Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Campinas

Estrelado por nomes consagrados, como Osmar Prado, Murilo ​Benício, Dira Paes, Juliana Paes e Marcos Palmeira, o remake de "Pantanal" vai apresentar um novo nome à televisão: Guito. Agrônomo formado pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), o estreante nunca foi ator. Agora, ele dará vida a Tibério, personagem que foi de Sérgio Reis em 1990.

A nova versão é escrita por Bruno Luperi, neto de Benedito Ruy Barbosa, autor do original, com direção artística de Rogério Gomes, o Papinha.

A coluna traz as primeiras fotos de Tibério (Guito), braço direito de José Leôncio (Marcos Palmeira) na segunda fase de "Pantanal". Apaixonado pela novela original de Benedito Ruy Barbosa desde sua primeira exibição, há 32 anos, o ator garante que já assistiu à trama por mais de cinco vezes.

Quando soube que a Globo faria uma nova versão da novela, decidiu que faria o que estivesse ao seu alcance para integrar o elenco.

"Eu provoquei o acaso. Tinha acabado de lavar as louças no bistrô que tenho em Araxá (MG), às quatro da manhã, quando soube do remake. Mandei na mesma hora uma mensagem para o Bruno Luperi, por meio de sua rede social, perguntando: ‘Para onde eu mando o teste? Porque os textos eu já sei de cor'", relembra.

A coluna traz as primeiras fotos de Tibério (Guito), braço direito de José Leôncio (Marcos Palmeira) na segunda fase de 'Pantanal'
A coluna traz as primeiras fotos de Tibério (Guito), braço direito de José Leôncio (Marcos Palmeira) na segunda fase de 'Pantanal' - João Miguel Jr./Globo

Mas ele nunca respondeu, conta Guito. Ele não desistiu. Conversou com Claudia, filha de Oswaldo Loureiro, que participou da primeira versão. "Ela me passou o contato de uma produtora de elenco e foi aí que começou a novela: manda texto, faz vídeo, manda o teste, entrevista, tudo à distância por causa da pandemia."

Foi um ano até que ele recebesse uma ligação comunicando que estava dentro. Até lá, Guito continuou tocando viola, fazendo shows e vendendo queijo e cachaça pelas estradas do Brasil.

"É um personagem que eu treino a vida inteira. Hoje tenho o privilégio de ter mestres para me ensinar: Marquinho Palmeira, Ju Paes, Camila Morgado, Dira Paes, Osmar Prado, [Juliano] Cazarré, [José] Loreto...", começa a listar.

Segundo ele, a experiência de trabalhar lado a lado com esses artistas e conviver com eles no Pantanal resultou em laços de amizade, fator de extrema importância para sua estreia na atuação.

"Eles me ensinam essa parte mais técnica, câmera, posicionamento... Os diretores também me dão muita tranquilidade e segurança, sem contar a Andrea Cavalcanti, preparadora de elenco, que é um anjo na nossa vida", relata. "Enfrentei dificuldades que eu sabia que iam acontecer, por isso eu me ancoro neles, isso me tranquiliza."

Apesar das dificuldades técnicas, Guito não tem dúvidas de que foi a escolha certa para dar vida ao capataz da fazenda de José Leôncio, personagem que será de Renato Goes na primeira fase, e de Marcos Palmeira na segunda.

"O Tibério e eu somos quase a mesma pessoa. Ele é um gerente da fazenda, eu sou agrônomo, vim dessa parte de gestão de fazendas, fui gestor do setor rural. Além disso, ele é um apaziguador, um cara rodado, vivido, morou em vários locais, veio de muito longe, é um peão experiente, tanto na lida com gado, com animais, e também com as pessoas", compara.

"Só não lida muito bem com o coração, acaba apanhando muito", brinca Guito.

Na trama, Tibério é um homem cuja palavra vale mais do que qualquer pedaço de papel. Não à toa, logo que José Leôncio o conhece, faz dele seu fiel escudeiro. Peão de carreira e competente, ele ajudou o patrão a construir o império que tem.

Ao assumir o papel de guardião do paraíso sagrado de José Leôncio, o homem permite que o fazendeiro se afaste do Pantanal sem medo do que irá encontrar ao retornar. Em suas ausências, a palavra de Tibério é a lei. Apesar de sua força, o peão se impõe por meio de sua conduta irreparável e de sua competência.

Tibério se apaixona por Muda, papel que agora será desempenhado por Bella Campos e que foi de Andréia Richa na extinta Rede Manchete.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem