Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Zapping - Cristina Padiglione

Fórmula 1 perde metade da audiência na troca da Globo pela Band

Apesar da boa repercussão da temporada 2021, público na TV era maior na Globo

Max Verstappen celebra vitória em Abu Dhabi - Foto de Giuseppe CACACE / AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

A transmissão da Fórmula 1 pela Band fez muito bem à audiência da emissora, mas, assim como aconteceu com a Copa Libertadores no SBT, o evento perdeu mais da metade do público que alcançava pela Globo. A queda nos números aferidos pela Kantar Ibope foi de 55% em São Paulo e de 75% no Rio de Janeiro.

A emissora e a organização da F1 trabalham com a ideia de que o evento pode somar índices menores na Band, mas encontra nesses números uma plateia que está inteiramente interessada no assunto. Já na Globo, sempre há considerável parte da plateia que permanece sintonizada no canal por força do hábito e não necessariamente engajada com o evento.

Não é uma teoria infundada. A repercussão da F1 nas redes sociais se mostrou maior neste ano e a audiência também foi ganhando mais fôlego nas últimas provas.

Levantamento exclusivo feito pela coluna mostra que a queda foi maior no Rio, onde a Band tem menos relevância que em São Paulo, o que também dá à média de 2 pontos alcançada ao longo da temporada uma dimensão de crescimento de mais de 200% para o canal.

Na final da temporada 2021 da F1, vencida por Max Verstappen, a Band bateu a Globo na Grande São Paulo por 5,8 a 5,5 pontos.

MÉDIA POR TEMPORADA

São Paulo

2017 (Globo) – 9 pontos

2018 (Globo) – 9 pontos

2019 (Globo) – 9 pontos

2020 (Globo) – 9 pontos

2021 (BAND) – 4 pontos

Rio de Janeiro

2017 (Globo) – 8 pontos

2018 (Globo) – 8 pontos

2019 (Globo) – 9 pontos

2020 (Globo) – 8 pontos

2021 (BAND) – 2 pontos

Cada ponto equivale a 205.377 telespectadores em São Paulo e a 125.721 no Rio de Janeiro.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem