Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Lucinha Lins: 'Não sou mais uma gatinha mas isso não é problema'

Atriz está em cartaz com peça que debate o etarismo

Lucinha Lins, 69, diz que vive o presente e não tem nostalgia dos anos 80, quando viveu o auge da carreira: "Não tem isso de 'Ah, como era bom ter 30 anos'" - Greg Salibian 15.jul.2019/Folhapress
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Envelhecer pode ser uma barra. Lucinha Lins, 69, sabe disso mas diz que não é o seu caso. "Claro que minha pele não é mais a mesma, não sou mais a gatinha, mas para mim, o melhor momento é o hoje, o agora", afirma a atriz, atualmente em cartaz em São Paulo com a peça "As Meninas Velhas". O espetáculo usa do humor para trazer a questão do etarismo ao debate.

A menção à gatinha tem sua razão de ser e vai além do adjetivo usado para classificar as mulheres jovens que se sobressaem esteticamente na multidão: nos anos 1980, Lucinha estava no elenco do musical "Os Saltimbancos Trapalhões", cantou "História de Uma Gata" ("Nós gatos já nascemos pobres / Porém já nascemos livres...") e o Brasil se apaixonou.

"Até hoje pedem para eu cantar, é uma loucura", conta. Musa de uma geração, ela demorou dois anos para ceder aos insistentes apelos da revista "Playboy". Posou em 1984, do seu jeito: sem nu frontal, num ensaio inspirado em fotos de Marilyn Monroe.

A década foi especialmente proveitosa profissionalmente para Lucinha, então onipresente em filmes, especiais da Globo, musicais, e até como apresentadora do infantil Lupu Limpim Clapa Topô, na Rede Manchete, em parceria com o ator, cenógrafo, figurinista e ex-integrante do grupo Dzi Croquettes Cláudio Tovar. Os dois são casados até hoje.

Em entrevista ao F5, Lucinha - mãe de quatro filhos (Luciana, Cláudio e João, de seu casamento com Ivan Lins, e Beatriz, com Tovar) e avó de três meninos - lembra com orgulho dessa época, mas diz não ser nostálgica. "Agora sou a gatona, caminhando para a gata velha. E tudo bem. Tenho meus momentos espetaculares hoje em dia, beirando os 70 anos".

Como as personagens da peça envelhecem e o que elas têm em comum com a Lucinha da vida real?
São quatro mulheres aposentadas, amigas da vida toda. Fiéis, se encontram todos os dias e se interessam umas pelas outras, se preocupam. Elas são uma lição de alegria e esperança. Eu também sou assim. O que passou, passou. Eu vivo o hoje. O melhor momento do mundo é o agora.

Você não tem saudades dos anos 1980, quando viveu o auge da carreira?
Não tem aquilo de 'Ah, como era bom ter 30 anos'. Agora estou com quase 70 e são outros tempos, igualmente maravilhosos. Até hoje me pedem para cantar 'História de Uma Gata' e isso me deixa emocionada, mas não sou nostálgica. Envelhecer faz parte da natureza, não é uma problema. Já a menopausa...

O que tem ela?
Se tem um desastre na vida de uma mulher chama-se menopausa. Mexe demais com a gente. Eu fiquei com insônia, vivia irritada, perdia a paciência por qualquer coisa. Cheguei a um ponto em que um dos meus filhos perguntou: 'Mamãe, está tudo bem? Você não está está mais falando com a gente. Está latindo.'

Como é estar casada há tanto tempo?
Quando penso que eu e Cláudio estamos juntos há 39 anos, penso: 'É muita coisa'. Mas é mais simples do que parece quando existe admiração, paixão. A gente conversa bastante, gosta de estar junto. Minha mãe sempre pergunta: 'Como vocês têm tanto assunto?'. Acho que isso conta muito.

E a libido?
Eu estou com 69 anos, ele tem 78. A vida nessa idade muda muito mas, pelo amor de Deus, não venha me dizer que sexualmente acabou tudo. Não é assim. As coisas vão se modificando e a gente vai se adaptando.

Um vídeo que você gravou em apoio à Operação Lava Jato e ao então juiz Sergio Moro viralizou em 2018. Nele, você dizia, entre outras coisas, que não tinha medo "de cara feia". Ainda pensa assim?
Eu não me arrependo. Acho lamentável o que estamos vivendo hoje. Como nós somos ignorantes! Como o brasileiro é ignorante! E não estou falando só do Bolsonaro não, querida. Também não gosto do Lula, de jeito nenhum, e acho essa terceira via um engodo. A Lava Jato foi um momento magnífico no país e não consigo entender como todos os que foram presos àquela época já estão soltos. É um absurdo.

As Meninas Velhas

  • Quando 2/04 à 24/04 - Sex. às 20h | Sab. às 21h | Dom. às 18h
  • Onde Teatro Vivo - Av. Dr. Chucri Zaidan - 2460 (antigo 860) - Morumbi
  • Preço R$ 60 (inteira)
  • Classificação 12
  • Duração 80 minutos
  • Capacidade 274 lugares
  • Telefone (11) 3279-1520

As Meninas Velhas | Reestreia Teatro Itália

  • Quando 6/05 à 29/05 - Sex. e sáb. às 21h | Dom. às 19h
  • Onde Av. Ipiranga, 344 - República, São Paulo
  • Preço R$ 70 (inteira)
  • Duração 80 minutos
  • Telefone (11) 3120-6945
  • Capacidade 292 lugares
Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem