Celebridades

Adrilles Jorge é demitido após Jovem Pan ver nazismo em gesto

Comentarista negou que tivesse essa intenção e disse que estava se despedindo

Adrilles Jorge faz gesto polêmico em programa da Jovem Pan e é demitido
Adrilles Jorge faz gesto polêmico em programa da Jovem Pan e é demitido - Reprodução
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Comentarista da Jovem Pan, Adrilles Jorge foi demitido da emissora após ter feito um gesto associado ao nazismo no momento em que abordava o caso Monark em um noticiário transmitido ao vivo (veja o momento abaixo). Monark defendeu a existência de um partido nazista e também foi desligado do Flow Podcast.

Na ocasião, ele estendeu a palma da mão para o alto em movimento similar ao "Sieg Heil", uma saudação nazista usada por Adolf Hitler (1889-1945) que em alemão significa "viva a vitória".

Procurada, a Jovem Pan confirmou que ele foi demitido. Em nota, a emissora reforçou que repudia qualquer manifestação em defesa do nazismo e suas ideias. "Somos veementemente contra a perseguição a qualquer grupo por questões étnicas, religiosas, raciais ou sexuais."

Em outro trecho, cita que os comentaristas têm independência para emitir opiniões, respeitando os limites da lei, "opiniões estas que não refletem as posições do Grupo Jovem Pan."

Em vídeo publicado na manhã desta quarta-feira (9), o comentarista e ex-BBB Adrilles negou que tenha tido essa atitude e destacou que ele apenas queria se despedir de uma forma mais despojada.

"Não fiz nada, sou antinazista. Por outro lado, posso pedir desculpas por quem tenha se enganado com esse gesto, jamais faria um gesto a título de gracejo", disse ele.

Durante o programa, o comentarista afirmou não acreditar que Monark seja simpatizante do nazismo. "Ele vem de uma série de posts e declarações em que defende fundamentalmente a liberdade", explicou. "Eu acho que ele se expressou mal."

"Quando ele fala de um partido nazista, ele fala como existe nos Estados Unidos", prosseguiu. "Eu acho que movimentos nazistas podem até ser declarados, eles não podem exercer o nazismo em alguns estados americanos. Mas um partido que prega de maneira aberta, de livre expressão, que um povo judeu deva ser exterminado é uma declaração extremamente infeliz. E eu acho que ele calcou a opinião dele, infelizmente, numa coisa chamada ignorância."

Questionado sobre como alguém poderia desconhecer o assunto, Adrilles insistiu que Monark se expressou mal. "O nazismo é amplamente divulgado, realmente foi um movimento asqueroso, abjeto, de exterminação de povos, mas o princípio do que o Monark quis dizer e se expressou tão mal falando da avaliação de um partido, você organizar um partido, organizar um movimento sistemático para eliminar judeus —porque o nazismo é em essência isso—, o que ele estava querendo dizer, e não conseguiu dizer, é que a liberdade de expressão pode sobrar."

"Defender o inaceitável não é exatamente torturar, perseguir ou massacrar alguém", comparou.
"A opinião dele está sendo punida justamente pela falta de patrocínio e pela demissão. E não cabe exatamente uma cadeia."

O ex-BBB também comparou o nazismo com o comunismo. "Eu sou radicalmente contra qualquer tipo de movimento que pregue o extermínio de um povo", afirmou. "Agora, se o nazismo deve ser proibido —e eu acho que ele deve ser proibido enquanto difusão de ideias, embora livros como 'Mein Kampf', o 'Minha Luta' do Adolf Hitler, têm que ser expostos exatamente para saber o grau de periculosidade desse tipo de ideologia—, então o comunismo também deveria ser proibido."

Depois do ato no programa, o apresentador da atração, William Travassos disse apenas: "Surreal, Adrilles". Pelo Twitter, onde o nome de Adrilles ficou entre os assuntos mais comentados, o comentarista também se explicou.

"A insanidade dos canceladores ultrapassou o limite da loucura. Depois de um discurso meu veemente contra qualquer defesa do nazismo, um tchau é interpretado como uma saudação nazista. Nazista é a sanha cancelamentora que não enxerga o próprio senso criminoso", postou Adrilles.

O jornalista Leandro Narloch defendeu o comentarista e destacou as falas de Adrilles no programa, que ele classificou como contrárias ao nazismo. "[Ele] ficou meia hora falando contra a legalização de partidos nazistas. No final, fez uma saudação que foi interpretada como nazista, e por isso foi demitido", afirmou o jornalista, destacando um vídeo em que Adrilles repete seu movimento de tchau no final de outras edições do programa.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem