Celebridades

Adriana Esteves faz terapia há 16 anos e diz ter renascido após depressão

Atriz não tem redes sociais alegando que isso aumentaria 'ansiedade' dela

Festa de lançamento da novela Amor de Mãe
Adriana Esteves fala sobre saúde mental - João Miguel Júnior/Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Adriana Esteves, 51, falou sobre a forte depressão que teve aos 22 anos, quando viveu Mariana, na novela "Renascer" (1993). "Entendi as críticas à personagem como um massacre a mim. Demorei uns dois, três anos para sair desse processo. Em 1995, eu renasci após a depressão", contou a atriz.

Ela disse que fazer atividades físicas também ajuda nesse processo para manter a saúde mental em dia. "Como a ciência já provou, o exercício é fundamental. Hoje busco fazer umas vezes por semana e, na pandemia, comecei a praticar ioga e meditação", contou em entrevista à revista Veja Rio.

Esteves também falou sobre como a terapia é importante na vida dela. A atriz afirmou que não deixou de lado as sessões nem mesmo quando Carminha — personagem que interpretou em "Avenida Brasil" (2012) e entrou para a história da dramaturgia — estava no auge. "Faço isso há dezesseis anos. [...]. O mais importante é que as pessoas que estejam em depressão peçam ajuda e falem o que estão sentindo", pontuou.

Avessa às redes sociais, a artista disse que não tem vontade de dedicar a vida ao mundo virtual e acredita que isso faria mal a ela. "Aumentaria minha ansiedade e poderia dar asas a um lado narcísico que não me interessa incentivar. Mas sempre posso mudar de ideia", brincou Esteves.

Surpresa com testes de elenco que exigem determinado número de seguidores para que o artista possa participar do processo seletivo, ela definiu como "absurdo um pré-requisito desses". "Não poderia entrar para a carreira de atriz hoje em dia. Não tenho nem Instagram", finalizou.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem