Celebridades

Morre Marina Miranda, a Dona Charanga da Escolinha do Professor Raimundo

'Foi um ícone pouco reconhecido', lamenta Hélio de La Peña

A atriz e humorista Marina Miranda
Marina Miranda - Instagram/#marinamiranda
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A atriz e comediante Marina Miranda morreu na noite desta segunda-feira (20), aos 90 anos, no Rio. Dona Charanga, da Escolinha do Professor Raimundo (Globo), era um dos seus trabalhos mais conhecidos.

Miranda estava internada em estado grave desde domingo (19) no Hospital Miguel Couto, na zona sul. Ela tinha Alzheimer e estava com infecção urinária e pulmonar. A morte foi confirmada ao F5 pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio e por Sylvia Miranda, filha da atriz.

Antes da Escolinha, Marina, que completaria 91 anos no próximo dia 30, fez sucesso ao lado de Tião Macalé (1926-1993) no Balança, Mas Não Cai, humorístico exibido na Globo a partir de 1968, adaptação do programa de muito sucesso na Rádio Nacional nos anos 1950.

Ela também atuou em novelas como "Dona Xepa" (1977), "Dancin' Days" (1978), "Vereda Tropical" (1984-1985) e "A Gata Comeu" (1985), todas na Globo.

O ator e humorista Hélio de La Peña lamentou a morte de Marina Miranda. "Foi um ícone pouco reconhecido. Por décadas foi uma mulher preta pioneira no humor irreverente, iconoclasta, abusado. Marina alegrou muito a minha infância. Tenho o maior respeito por sua história e muita admiração pelo seu talento de fazer rir. Como bem diz seu biógrafo Clóvis Corrêa de Andrade, Marina era muito além da Crioula Difícil, seu personagem mais marcante. Descanse em paz, minha rainha. Que a família e os fãs guardem os bons momentos que Marina nos proporcionou", escreveu ele no Instagram.

"Querida Marina Miranda descansou. Não sem antes deixar seu nome escrito na história da comédia brasileira", escreveu Bruno Mazzeo.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem