Celebridades

Ator e dublador Orlando Drummond morre aos 101 anos

Humorista deu vida ao personagem Seu Peru e foi a voz de Scooby-Doo

Orlando Drummond - Zo Guimaraes-7.jun.2019/Folhapress
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O ator e dublador Orlando Drummond, que deu vida ao Seu Peru na Escolinha do Professor Raimundo (Globo), morreu nesta terça-feira (27), aos 101 anos. De acordo com o atestado de óbito, ele teve falência de múltiplos órgãos.

Além do papel pelo qual se tornou conhecido na frente das câmeras, Drummond também dublou animações extremamente populares. Mesmo que muitos não soubesse, eram dele as vozes marcantes de personagens como Popeye, Scooby-Doo, o Gargamel dos "Smurfs" e o Vingador de "Caverna do Dragão".

A informação da morte foi confirmada pela Globo no início desta noite. Segundo a emissora, o ator morreu em casa, no Rio de Janeiro. "Amigos, familiares e todos os fãs que conquistou pela voz e a atuação emblemáticas ao longo de quase 80 anos de carreira se despedem de um grande talento da TV brasileira", diz comunicado.

Orlando Drummond nasceu no Rio de Janeiro, em 18 de outubro de 1919. Nos anos 1940, ele era contrarregra na Rádio Tupi quando foi descoberto pelo ator Paulo Gracindo (1911-1995), que o chamou para fazer participações em programas de humor. Em 1946, passou a trabalhar como radioator em tempo integral.

Nos anos 1950, foi o primeiro dublador contratado pela Herbert Richers, o maior estúdio de dublagem do país. Seu primeiro trabalho lá foi o sargento Garcia, antagonista da série "Zorro".

Ao longo dos anos, deu voz a personagens icônicos como Patolino e Frajola. Entre os atores que já foram dublados por ele em filmes, estão Gary Cooper, Cary Grant e Gene Hackman.

Já estabelecido como dublador, ele começou a participar de diversos humorísticos na TV. Fez vários personagens, mas o mais marcante foi o afetadíssimo Seu Peru, que surgiu na primeira versão da Escolinha do Professor Raimundo, ainda na rádio.

A transição para a TV ocorreu em 1957 e o sucesso foi imediato. Bordões como "dou o maiorrr apoio" e "estou porrr aqui" caíram nas graças do público.

Encerrado o humorístico, já no começo dos anos 2000, ele continuou ativo como dublador. Atividade na qual continuou trabalhando praticamente até o fim da vida.

Em 2019, foi homenageado no Carnaval por um bloco de rua do Rio de Janeiro. O tema era Dublando Drummond 100 Anos.

Nesse mesmo ano, voltou a interpretar Seu Peru em uma participação na quinta temporada da nova versão da Escolinha, em que um novo elenco reinterpreta os personagens clássicos do humorístico.

Na ocasião, ele contracenou com Marcos Caruso, intérprete do papel dele na versão recente do humorístico. A participação, que pegou o elenco de surpresa, arrancou gargalhadas e também emocionou os presentes.

"Não tem preço", comentou ele ao deixar o estúdio. "Enquanto eu estiver vivo, estarei presente com muito amor e carinho. Obrigado, obrigado, obrigado."

Caruso lamentou a morte do colega nas redes sociais. "Obrigado, Orlando Drummond, pela tua arte e exemplo de 101 anos de vida lúcida e plena de energia", escreveu. Em vídeo enviado ao Jornal Nacional, ele ainda declarou: "Quando nós vemos que Orlando Drummond teve até os 101 anos saúde, trabalho, energia, amores, amigos, aplausos e lucidez, nós só temos a dizer: 'Obrigado, amigo, pelo exemplo'."

A saúde de Orlando Drummond já vinha o fragilizando há algum tempo. Neste ano, ele chegou a ficar dois meses internado em um hospital do Rio de Janeiro por causa de uma infecção urinária.

Ele deu entrada no hospital em abril em estado grave e ficou boa parte do tempo em que esteve internado no CTI (Centro de Terapia Intensiva). Por causa da pandemia de Covid-19, a família tentou evitar sua entrada no hospital, mas isso acabou sendo inevitável.

O ator e dublador tomou a segunda dose da vacina contra o coronavírus em fevereiro. A primeira dose havia sido tomada em janeiro, em uma cerimônia simbólica que marcou o início da vacinação de idosos no Rio. "Sou um abençoado", afirmou o artista após o evento.

Drummond se casou com a esposa, Glória, em 1951. O casal teve dois filhos, cinco netos e três bisnetos. Três dos netos, Alexandre, Eduardo e Felipe, também são dubladores.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem