Celebridades
Descrição de chapéu maternidade

Mara Maravilha quer adotar nome do filho como sobrenome: 'Família Benjamin'

Apresentadora planeja nova adoção e diz que pode ser negro ou loiro

Mara Maravilha com o noivo, Gabriel Torres, e o filho, Benjamim Rafael Manole

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Quase dois anos após receber a reportagem do F5 em sua casa, Mara Maravilha, 51, agora responde através da tela do celular. Com maquiagem e cabelo impecáveis, e mais uma vez interrompendo seu almoço. "Estou louca para comer meu feijãozinho com farofa e pimenta", afirma ela ao iniciar a conversa.

Mas tudo está diferente agora. Qualquer um poderia citar a pandemia como responsável pelas mudanças, mas a sacudida na vida de Mara veio na forma de um menininho de três anos, chamado Benjamin. Segundo nome, na verdade, já que ela e o noivo, Gabriel Torres, 32, preferem deixar o primeiro "resguardado".

Em 2019, Mara Maravilha, então com 51 anos, já citava a maternidade como algo importante em sua vida. Eram mais de dois anos na fila de adoção na época e muita emoção ao falar sobre o assunto. De lá para cá, ela cogitou outros métodos, se preparou para uma fertilização in vitro com óvulos doados, até que veio Benjamin.

“Você vê que sou mulher determinada, empoderada. Quando eu quero, eu penso, falo e acontece. Meu milagre já aconteceu, meu milagre está na escolinha agora”, diz a apresentadora orgulhosa. “Eu acordo feliz e, independentemente do que aconteça no meu dia, quando ele termina, estou completa. O carinho de Benjamin é muito extraordinário."

Como qualquer mãe, Mara comemora tudo. Cita as “unhinhas dos pés” cortadas pela manhã e o “cocozinho” limpos mais cedo, e não se esquece de citar a espontaneidade e a inteligência do pequeno. “Você acredita que ele já está falando?! Está toda hora cantando ‘Brilha, Brilha Estrelinha’. Ele tem um jeito muito parecido comigo”, diz.

A apresentadora foi informada sobre a chegada de seu filho no Carnaval de 2020. Ainda no Fofocalizando (SBT), ela conta que passou por um período puxado com viagens diárias ao “interior distante” para visitar o bebê e para as entrevistas com psicólogas e assistentes sociais, antes de levá-lo para casa.

Mara diz que as coisas foram acontecendo da melhor forma a partir daí. Até o afastamento do programa do SBT ela aponta como positivo para controlar seu lado “hiperativo e workaholic”. “O protagonista da minha vida chegou, e o nome dele é Benjamin”, diz ela, em tom de brincadeira, que continua com contrato com a emissora de Silvio Santos e aguarda "coisas boas em breve".

Entre licença-maternidade e pandemia, Mara passou mais de um ano com cuidado integral ao pequeno Benjamin. E agora, quer colocar essa ligação, essa paixão, como ela mesma diz, no papel. A apresentadora e o noivo afirmam que entrarão na Justiça para registrar o nome do filho em seus próprios nomes e documentos.

"Queremos colocar Benjamin em nossos nomes. Eu sou Eliemary Silva Silveira e quero virar Eliemary Benjamin Silva Silveira. Benjamin já tinha esse nome e nós acrescentamos mais um --o primeiro nome, que a apresentadora mantém em segredo. Queremos colocar o sobrenome dele para sermos a família Benjamin.”

E os planos de Mara e Gabriel não param por aí. O casal, junto há cerca de seis anos, planeja agora casamento. Se há dois anos ela franzia a testa e dizia que oficializar a união não era prioridade, os planos mudaram completamente.

"Gabriel é o melhor pai, é realmente o pai perfeito para o meu filho. Acertei duas vezes na loteria. Só agradeço, muita gratidão. Estou com saúde, com Deus, bem resolvida com meus sonhos aqui, um de 30 e outro de 3 anos", afirma a apresentadora (aos risos). “Esse é o símbolo do empoderamento feminino.”

E Mara promete mais. Segundo ela, o filho pode "dar as caras", como ela mesma diz, na cerimônia de casamento dos pais. Até agora, a apresentadora mantém o rosto de Benjamin resguardado, assim como o primeiro nome. Perguntada sobre o porquê, ela diz que é um pedido do noivo. "Ele é mais discreto, ciumento. Eu já estaria mostrando em todo lugar", brinca.

E a família Benjamin pode ganhar novos membros em breve. Mara afirma que quer ter mais filhos e vai recorrer novamente à adoção. “A adoção tem me feito completa como mãe”, diz ela, ao revelar ter apenas uma exigência para a nova criança: que seja mais nova que Benjamin. “Ele é nosso primogênito”, ressalta.

Mara conta que, na primeira vez, ela e o noivo pediram por um menino de até três anos, que tivesse as mesmas características físicas deles. Agora, no entanto, só querem que seja mais novo que Benjamin. “Pode ser negro, loiro, ser menino ou menina, pode ser gêmeos ou gêmeas.”

“Vamos deixar até mais fácil para que venha logo a segunda criança, já que estamos muito mais flexíveis. Como Benjamin tem por volta de três anos, tem que ser até essa idade. Até pode ter um pouquinho mais, já que [o processo de adoção] demora. Mas é dessa forma que a gente está estruturando nossa família”, afirma Mara.

QUASE 4 ANOS DE ESPERA

Apesar de a maternidade ter chegado após os 50 anos, Mara Maravilha afirma que sempre soube que seria mãe. “Desde menininha, brincando de boneca. Mas coloquei minha carreira como prioridade, e acho que perdi um pouco o timing. O que acredito que deva acontecer com muitas mulheres na atualidade."

A apresentadora diz que, se pudesse voltar no tempo, teria feito diferente e aconselha as mulheres que não adiem demais o sonho de serem mães. Ainda assim, Mara se diz grata pela forma como aconteceu a maternidade em sua vida, quando ela já estava preparada, tanto mentalmente, quanto no coração, na estrutura financeira e na profissional.

“Estávamos na fila de adoção havia quase quatro anos e já cogitávamos a inseminação com doação de óvulos. A adoção estava muito morosa, a gente já estava no finalzinho do segundo tempo. Gabriel já tinha colhido o esperma, eu já tinha conseguido a doadora, estava me preparando para ficar grávida.”

“Foi quando recebi a ligação da assistente social, aí Deus falou: ‘Não, vai ser desse jeito’”, revela Mara. “Ele [Benjamin] não nasceu de mim, mas nasceu para mim. Nasceu no meu coração, e todo filho tem que nascer do coração. A adoção é um ato divino, de maternidade."

Mara afirma que durante o período em que aguardou Benjamin, recebeu propostas e ofertas para adoções ilegais e admite que ficou “muito tentada”. “Mas eu não estaria fazendo da forma legal, criança não é um produto, que a gente pega como um fast food, é uma responsabilidade para a vida. Porque um dia ele vai saber de toda a história.”

A apresentadora diz que nunca pensou em esconder a adoção do filho, tanto por gostar da transparência quanto por sua vida pública. “E a verdade é que ele nunca foi uma criança rejeitada. Ele foi uma criança que veio com um propósito, veio ao mundo já para ser nosso. Ele teve uma genitora, e essa pessoa, a meu ver, é muito especial, mas eu sou a mãe dele. Quando ele crescer, aí o tempo dirá."

CRIAÇÃO E EDUCAÇÃO

Contratada pelo SBT, Mara Maravilha continua a fazer suas aparições no Jogo dos Pontinhos e afirma que deve vir coisa boa por aí, apesar de não dar detalhes. Mas isso não quer dizer que não haja novos projetos. A apresentadora revela ter planos que vão da música ao seu canal no YouTube, todos com um quê na maternidade.

Em relação à música, ela fará uma live neste sábado (12), Dia dos Namorados, com canções suas e de outros artistas, como Peninha, Markinhos Moura e Zezé Di Camargo e Luciano. Além disso, Mara prepara a gravação de duas novas músicas ao lado do noivo, Gabriel Torres. Perguntada sobre o estilo, ela diz que serão em homenagem a Benjamin.

“Ele é nosso protagonista, acabou, não pensamos em outra coisa”, diz Mara, aos risos. Ela também prepara para o segundo semestre, em seu canal no YouTube, programas focados em criança e educação, com entrevistas com pedagogos e psicólogos, “porque é o que tem me interessado mais”, diz.

“Também tenho trabalhado muito minhas redes sociais, sou uma influencer digital [risos]. Meus seguidores são extremamente orgânicos, não são comprados da Arábia Saudita, por isso que tenho mais de 15 parceiros. É home office, sendo artista em casa. Só agradeço, estou com saúde, estou com Deus e bem resolvida.”

Outro motivo de celebração para a apresentadora é a recuperação de toda a família após contrair Covid-19. Ela afirma que todos em sua casa tiveram a doença, inclusive o pequeno Benjamin. “Trabalhei muito minha mente, anestesiada, com o medo. Triste com tudo que vemos no noticiário, gente partindo, até pessoas próximas."

Mara afirma que, de tudo, sai uma lição. E deve ser assim também com a pandemia. Ela mesma é só agradecimentos e celebração após a doença. “Fiz um check-up e, como estava tudo bem, fiz até uma lipo [lipoaspiração] para ficar bem e poder comer, eu gosto de comer. Vou agora para o meu feijão com farinha e pimenta”, finaliza a apresentadora, ao brincar com a nossa conversa.

Live Dia dos Namorados com Mara Maravilha e Gabriel Torres

  • Quando sábado (12), às 19h
  • Onde No canal do YouTube da Mara Maravilha
Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem