Celebridades

Astro do pornô norte-americano, Ron Jeremy é acusado por estuprar quatro mulheres

Promotoria determinou uma fiança em torno de R$ 34 milhões para o ator

Ron Jeremy
Ron Jeremy - Ethan Miller / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
Los Angeles

O ator pornô Ron Jeremy, 67, foi acusado de estuprar três mulheres e agredir sexualmente uma quarta pessoa, de acordo com o Ministério Público de Los Angeles informou nesta terça-feira (23).

Três dos casos foram relatados ter ocorrido no mesmo bar, situado em West Hollywood, uma cidade vizinha a Los Angeles, entre os anos de 2017 e 2019, segundo o MP. Outro suposto estupro, ocorrido em 2014, teria acontecido em uma casa localizada na mesma área.

Jeremy é um dos nomes mais importantes da indústria pornográfica com mais de 1.700 créditos em filmes para adultos como "Garganta Profunda II" e "John Bobbitt Uncut". Segundo seu advogado, Stuart Goldfarb, ele irá defender sua inocência sob todas as acusações, que ele chamou de "surpreendentes".

"Ron, ao longo dos anos, por quem ele é, tem sido praticamente amante de mais de 4.000 mulheres. E alegar que ele é um estuprador é do além ... quero dizer, as mulheres se jogam nele. Não é um estuprador", afirmou Goldfarb.

As supostas vítimas do ator tinham entre 25 e 46 anos. Um caso separado, de 2016, foi julgado como improcedente por falta de provas. Se condenado, Jeremy, pode pegar uma pena máxima de 90 anos de prisão perpétua.

A promotoria determinou uma fiança de US$ 6,6 milhões (cerca de R$ 34 milhões) para ele. O ex-agente de Jeremy, Dante Rusciolelli, disse à AFP que deixaria de representar o ator pornô depois que essas acusações fossem retiradas, garantindo que sua empresa "não recebeu nenhuma prova de inocência (de Jeremy) no momento".

Ron Jeremy é mais mais recente figura de destaque na indústria do entretenimento a ser investigada por abuso sexual em Los Angeles desde que o movimento #MeToo começou em 2017. A investigação de f orça-tarefa já conta com 20 nomes.

AFP
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem