Celebridades

Gabz diz ser oposto de Jaque, de 'Malhação', e que 'nunca namoraria reacionário'

'O maior erro da esquerda do nosso país é não dialogar', diz atriz e rapper

A rapper Gabz em campanha #TodasPorUma da Nike e Authentic Feet
A rapper Gabz em campanha #TodasPorUma da Nike e Authentic Feet - Camila Cornelsen/Nike
Beatriz Vilanova
São Paulo

Gabrielly Nunes, 20, mais conhecida como Gabz, estará em foco no capítulo de "Malhação: Toda Forma de Amar” desta quinta-feira (31). Sua personagem, Jaqueline, enfrentará o fim do relacionamento com Thiago (Danilo Maia) após algumas discussões sobre comportamentos conservadores do rapaz.

A atitude aproxima a personagem de sua intérprete, que afirma ter outras preferências quando o assunto é relacionamentos. “Nunca na minha vida eu ia namorar um reacionário. Respeita a minha história”, diz a atriz, em tom de brincadeira, em uma entrevista ao F5 durante gravação da campanha "Todas Por Uma" da Nike.

"Mas uma coisa engraçada de perceber é que eu nunca namorei um reacionário autodeclarado, mas os comportamentos masculinos que estão ali são mais ou menos os mesmos. É muito bom ver isso retratado na novela. O maior erro da esquerda do nosso país é não dialogar com essas pessoas."

Gabz diz que aprende diariamente com Jaque, uma menina pobre criada pela mãe e com um pai que tem dificuldade em aceitá-la. Mas, ainda assim, vê semelhanças com a personagem, especialmente no que diz respeito às questões sociais. "A Jaqueline sou eu há alguns anos, com outro entendimento de mundo. Mas ao contrário dela, eu tive um pai maravilhoso."

Além de atriz, Gabz é rapper e chegou a se apresentar no festival Rock in Rio 2019. O nome dela vem conquistando espaço no cenário musical brasileiro, mas a artista que nasceu na favela de Irajá (Rio de Janeiro) diz que a ficha do sucesso ainda não caiu.

"Três anos atrás eu estava bem perdida e um dos meus melhores amigos disse que, daqui dois anos, eu nem estaria mais na faculdade, teria virado artista. E aconteceu, de uma forma doida”, lembra. “Hoje eu sofro por ‘boy’, mas em um ambiente de trabalho do qual eu gosto. Há dois anos eu estava sofrendo, mas no metrô, indo para uma faculdade que eu não gostava [de ciências sociais]. Então estamos bem.”

Como mulher e negra, Gabz fica feliz em conquistar esse espaço e diz que se dedicará completamente à música após as gravações da novela. Um novo EP, com turnê em sequência, já estão encaminhados. A intenção do novo projeto é mostrar uma cantora “mais vulnerável” e em um novo momento “neo-MPB”.

"Colocaram em mim uma carga de uma mulher muito forte, que eu sou, mas eu também sou uma pessoa e acho importante que os outros saibam disso", conclui.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem