Renato Kramer

'Qualquer vitória de Sandy é uma vitória minha', diz Lucas Lima

O tema do programa "Roberto Justus +" (Record) deste domingo (3) versou sobre os 1.001 sotaques brasileiros. Entre os convidados, o músico gaúcho Lucas Lima (Família Lima).

"Eu não estou achando que você mantém o sotaque tão 'gauchês' assim. Será que é influência da família da sua mulher [Sandy Leah]?", questionou logo de início o apresentador.

"Já estou há muito tempo aqui [em SP], não é? Eu até estava comentando no camarim que quando eu falo aqui as pessoas dizem que o meu sotaque é superforte. Aí eu chego em Porto Alegre, e os caras: 'Bah! Tu virou paulista, tchê. Tu não tá mais falando como a gente'", declarou Lucas.

E acrescentou: "Muitas vezes, tem coisas que eu falo com a minha mulher, e ela não entende até hoje. E a gente está junto há um tempão". Justus quis saber se teria alguma palavra específica do Sul que a gente não entenderia: "Brigadiano", disse Lima. E explicou: "Brigadiano é o policial da Brigada Militar". A plateia riu.

"Não precisa me criticar também, né? Como se vocês não tivessem dessas também", retrucou o músico com bom humor. E a seguir Justus resgatou a clássica pergunta aos gaúchos: "Como é que chama pão francês no Rio Grande do Sul?"

"Ah, vai começar o bullying?", retrucou Lucas sempre carismático. "Não fui eu que criei, mas o pão francês lá o povo chama de 'cacetinho'", respondeu o músico com um ar de 'fazer o quê'. "Cacetinho é fogo", castigou Justus.

E lembrou que tem um doce na Bahia que se chama 'punhetinha'.  "Então, se pegar o cacetinho e comer junto com a punhetinha... Vai dar um lepo, lepo", brincou Roberto.

"Eu fui num restaurante baiano esses tempos, e tinha uma sobremesa que era punhetinha com baba de moça", contou Lucas Lima, e a plateia caiu na gargalhada. "Eu acho que vou ser expulso da Record", exclamou Roberto Justus.

Na "pergunta +", Justus quis saber: "Você já era um artista conhecido quando se casou com a Sandy, mas chegou a se manifestar publicamente se incomodar que a mídia te visse mais até como marido dela do que como artista. Depois, fizeram uma parceria de trabalho que atrelou de vez a sua imagem à dela. Você se considera coadjuvante nesse caso? Como você reagiu a tudo isso?"

"Quando a gente começou a namorar, eu era muito novo, então aquilo me incomodou muito. Imagina, com 17, 18 anos, ainda buscando a sua identidade, e todo o mundo querendo sempre falar da sua família, da sua banda e da sua esposa", explicou o músico.

"Depois de um tempo, eu comecei a entender um pouco mais que não tinha como eu querer que as pessoas não enxerguem isso, porque a Sandy é uma artista muito grande, é um ícone no Brasil, que todo o mundo conhece. Não tem como fugir", argumentou Lima.

"Então não há uma competição?", perguntou o apresentador. "Até porque não teria graça", retruca Lucas. "Seria como eu querer sair na mão com o Vitor Belfort. Não seria uma competição, né?”, brincou o músico sempre em alto-astral.

"Não tenho mais nenhum problema com isso. Ainda mais sendo a minha esposa que eu amo tanto. Eu quero mais é que ela seja trilhões de vezes mais do que eu, porque qualquer vitória dela é uma vitória minha", arrematou.

<> Galeria
Sandy
Sandy
Veja imagens da cantora Sandy

 

Renato Kramer

Natural de Porto Alegre, Renato Kramer formou-se em Estudos Sociais pela PUC/RS. Começou a fazer teatro ainda no sul. Em São Paulo, formou-se como ator na Escola de Arte Dramática (USP). Escreveu, dirigiu e atuou em diversos espetáculos teatrais. Já assinou a coluna "Antena", na "Contigo!", e fez críticas teatrais para o "Jornal da Tarde" e para a rádio Eldorado AM. Na Folha, colaborou com a "Ilustrada" antes de se tornar colunista do site "F5"

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias