Renato Kramer

Elias Andreato comemora 45 anos de teatro com 'Dona Bete'

"Dona Bete" (Elia Andreato) é a secretária aparentemente ingênua de um deputado federal que se envolve na morte de um traficante. Ela sabe demais e está ameaçada de morte.

Então é marcada uma entrevista coletiva às escondidas, para a qual Bete aparece de colete à prova de balas acompanhada por seu advogado, o Dr. Olavo (Nilton Bicudo). O deputado deverá chegar em instantes para participar da coletiva e ajudar a esclarecer o caso. Não chega.

Aflita, com um conjunto em saia, meias e sapatos de salto bege e um blazer cenoura, com um lencinho que de tanto girar em sua mão parece ter vida própria, Dona Bete não se aguenta e começa a dizer tudo o que sabe aos jornalistas que a provocam. Dr. Olavo apela para que Bete fique calma, mas não há o que fazer. Nem que fosse numa 'delação premiada' Bete entregaria tanta gente!

O texto que parece ter sido feito ontem, tal a sua atualidade, é uma obra inédita do mago do teatro Fauzi Arap (1938-2013) escrita em 2007. "Dona Bete" foi a peça que o ator Elias Andreato escolheu para comemorar os seus 45 anos de teatro.

"Peguei minha indignação e impotência diante de tanto descaso e resolvi usar a minha arma preferida: a ironia", declara Andreato no programa da peça. Mas a sua "Dona Bete" é muito mais do que irônica. É uma aula de teatro em si. A riqueza de detalhes de sua personagem, a sutileza de gestos nunca desnecessários, a profundidade de suas pausas, a revelação de suas intenções através de um simples olhar mais matreiro: tudo contribui para a excelência da performance de Elias.

Em seu auxílio, a competência do ator Nilton Bicudo, que dá verossimilhança à situação de Bete com o estado de preocupação constante do Dr. Olavo. A direção impecável foi realizada numa parceria do próprio Andreato com André Acioli. O figurino é do premiado Fábio Namatame e a trilha sonora, com músicas de Tom Zé que valorizam muito o espetáculo, é do sempre talentoso Jonatan Harold.

"Quero rir de mim e de todos para tornar a vida mais leve diante de tantas tragédias", é como Elias Andreato encerra o seu depoimento no programa da peça. Se depender de humor, requinte e bom gosto, "Dona Bete" já está absolvida. A peça está em cartaz no Teatro Eva Herz (SP) apenas aos sábados às 18h até 28 de maio próximo.

Elias Andreato antes da estreia da peca
Elias Andreato antes da estreia da peca "Dona Bete" - Folhapress
Elias Andreato antes da estreia da peca

Elias Andreato antes da estreia da peca "Dona Bete"

Folhapress

 

Renato Kramer

Natural de Porto Alegre, Renato Kramer formou-se em Estudos Sociais pela PUC/RS. Começou a fazer teatro ainda no sul. Em São Paulo, formou-se como ator na Escola de Arte Dramática (USP). Escreveu, dirigiu e atuou em diversos espetáculos teatrais. Já assinou a coluna "Antena", na "Contigo!", e fez críticas teatrais para o "Jornal da Tarde" e para a rádio Eldorado AM. Na Folha, colaborou com a "Ilustrada" antes de se tornar colunista do site "F5"

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias