Renato Kramer

O tempo estragou ele, brinca Antonio Fagundes, que 'será' Rodrigo Santoro na 2ª fase de 'Velho Chico'

Antônio Fagundes e Christiane Torloni estarão na segunda fase de "Velho Chico"

"Eu brinquei com o Rodrigo [Santoro], que eu vou ser ele amanhã", declarou o ator Antônio Fagundes no "Fantástico" (Globo) deste domingo (13).

Fagundes viverá o cel. Afrânio, papel que traz Rodrigo Santoro de volta às novelas, na segunda fase de "Velho Chico" —a nova novela das nove da Globo, que estreia nesta segunda-feira (14).

"Mas eu sinto o que o tempo fez com ele, não é? É uma pena que o tempo tenha estragado o Rodrigo Santoro!", brinca Fagundes que não é muito afeito à entrevistas. "Faz muitos anos que nós não temos novelas rurais no horário das nove", observa o ator, "então é um resgate legal."

A atriz Christiane Torloni, que também esteve no programa, entrará por sua vez no lugar de Carol Castro, vivendo a amante proibida de Afrânio, a cantora Iolanda. "Ela é apaixonada por esse homem. Tem paixões assim, né? Insuportavelmente eternas", defende já com sotaque nordestino antes de revelar ao apresentador Tadeu Schmidt que a personagem é sua "primeira baiana". "Não é uma delícia?", retrucou.

"Eu acho que sempre teve alguém dentro de mim louco pra falar com essa preguiça do verbo", comentou Christiane. "Dali um pouco você já tá com a mão assim", e escora o rosto em uma das mãos como quem descansa.

Festa de lançamento da nova novela das 9
Os atores Rodrigo Santoro e Antonio Fagundes na festa da novela das 21h, "Velho Chico" - Zo Guimaraes/Folhapress
Festa de lançamento da nova novela das 9

Os atores Rodrigo Santoro e Antonio Fagundes na festa da novela das 21h, "Velho Chico"

Zo Guimaraes/Folhapress

Poliana Abritta lembra então que faz 22 anos que o casal viveu o último par romântico juntos em "A Viagem" (Globo, 1994). "Talvez esse amor que a gente vá viver agora sobreviva de vidas anteriores", brinca Fagundes, que só deve entrar em cena em "Velho Chico" no mês de abril.

Completando o grande espaço que o "Fantástico" dedicou à novela, a repórter Patrícia Nobre foi até as gravações conversar com Rodrigo Santoro. "A vida coloca Afrânio numa bifurcação, e ele tem que escolher entre viver o próprio sonho, de ser quem ele é, ou viver o sonho do pai", declara o ator.

O diretor Luiz Fernando Carvalho explica que a novela começa nos anos 60, num nordeste ficcional, que não está ligado diretamente a nenhum Estado, e sim ao "universo do nordeste". "E do recôncavo baiano também saiu o autor da trilha de abertura da novela: ninguém menos do que Caetano Veloso", anuncia Patrícia. Caetano regravou a canção "Tropicália", de 1967, especialmente para a novela.

"Eu senti até, em parte para surpresa minha, a atualidade da canção", diz Veloso. "Eu quis cantar, imaginando que houvesse alguma, sei lá, alguma rima entre a canção e o momento, mas não imaginei que fosse tão intenso", declarou um dos fundadores da Tropicália.

"Essa música na verdade é um hino", pondera Christiane Torloni. "A novela começa em plena Tropicália, então, apesar de estar na ditadura, você tem uma explosão de cor, de poesia e de liberdade", explica.

E Antônio Fagundes encerra: "Mas Francisco é nome grande, é também nome de rico. Como eu sou muito idoso e com mais idade eu fico, alguns então  me chamam somente de Velho Chico". 

<> Galeria
Velho Chico
Velho Chico
Veja imagem dos bastidores de "Velho Chico", novela rural da Globo

 

Renato Kramer

Natural de Porto Alegre, Renato Kramer formou-se em Estudos Sociais pela PUC/RS. Começou a fazer teatro ainda no sul. Em São Paulo, formou-se como ator na Escola de Arte Dramática (USP). Escreveu, dirigiu e atuou em diversos espetáculos teatrais. Já assinou a coluna "Antena", na "Contigo!", e fez críticas teatrais para o "Jornal da Tarde" e para a rádio Eldorado AM. Na Folha, colaborou com a "Ilustrada" antes de se tornar colunista do site "F5"

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias