Você viu?

Tiara histórica de princesa austríaca feita com águas-marinhas e diamantes é leiloada

Joia produzida por Fabergé é estimada em até R$ 1,3 bilhões

Sede da casa de leilões Christie's em Genebra, na Suíça
Sede da casa de leilões Christie's em Genebra, na Suíça - REUTERS/Denis Balibouse
Londres

A casa de leilões Christie’s está prestes a vender uma tiara produzida por Fabergé, joalheiro dos czares russos, confeccionada com águas-marinhas e diamantes, cuja pré-venda está estimada entre US$ 230 milhões e US$ 340 milhões (cerca de R$ 886 milhões e R$ 1,3 bilhão).

A tiara foi feita em 1904 como um presente de casamento do alemão Frederick Francis IV, grão-duque de Mecklenburg-Schwerin, para sua noiva, a princesa Alexandra de Hanover e Cumberland.

A mãe do grão-duque era uma duquesa russa e colecionadora de joias Fabergé, que encorajou seu filho de 22 anos a encomendar o presente do ateliê do joalheiro em São Petersburgo.

O presente chegou um mês depois do casamento, já que o duque demorou a escolher as pedras preciosas, além de os esboços de Fabergé terem desaparecido, conforme detalhado nas cartas entre a Rússia e a corte alemã.

“É uma tiara absolutamente linda com nove águas-marinhas graduadas”, disse Max Fawcett, especialista em joalheria da Christie’s.

“Há muito poucas tiaras Fabergé no mundo hoje e, quando elas são levadas a leilão, elas sempre recebem muita atenção”, acrescentou.

O design da tiara apresenta flores do gênero não-me-esqueças atadas com laços de fita, para significar o amor verdadeiro, e que são perfuradas por flechas do cupido. A joia será vendida em Genebra no dia 15 de maio, juntamente com outras gemas.

Reuters
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem