Você viu?

Empresa canadense encontra segundo maior diamante do mundo na África

Pedra do tamanho de uma bola de tênis tem 1.758 quilates e 352 gramas

Mineradora canadense Lucara encontrou segundo maior diamante do mundo em Karowe, unidade de exploração da empresa em Botsuana, na África. O diamante aparece sobre uma mesa branca.
Mineradora canadense Lucara encontrou segundo maior diamante do mundo em Karowe, unidade de exploração da empresa em Botsuana, na África. - 25.Apr.2019/Reuters
São Paulo

O segundo maior diamante do mundo foi encontrado pela empresa mineradora canadense Lucara em sua unidade de exploração que fica em Karowe, no centro de Botsuana, na África. A empresa informou que a pedra tem de 1.758 quilates, pesa 352 gramas e tem aproximadamente o tamanho de uma bola de tênis.

Em 2015, a mesma empresa já havia localizado um diamante de 1.111 quilates no mesmo lugar. Como a nova descoberta, essa pedra agora é a terceira maior. Na época, ele foi vendido por cerca de US$ 53 milhões em estado bruto para negociadora de diamantes Graff Diamonds. Estima-se que a pedra tenha entre 2,5 e 3 bilhões de anos.

O maior diamante do mundo continua sendo o "diamante de Cullinan", de 3.106 quilates. Ele leva esse nome porque foi extraído no povoado sul-africano que o batizou, em 1905. A pedra, aliás, faz parte das joias da coroa do Reino Unido.

O segundo maior diamante do mundo está sob uma mesa branca, ao lado de uma pinça, à frente de uma caixa branca.
A pedra tem de 1.758 quilates, pesa 352 gramas e tem aproximadamente o tamanho de uma bola de tênis. - 25.Apr.2019/REUTERS

A mineradora Lucara ponderou em comunicado que o diamante recém-descoberto ainda não pode ser qualificado como uma joia por causa de sua "qualidade variável".

Botsuana é atualmente é o maior país produtor de diamantes do mundo –uma indústria que representa 80% de suas exportações, o que ajudou o país, segundo a BBC, a aumentar em 50 anos mais de 100 vezes sua renda per capita.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem